Além do covid, mulheres e meninas enfrentam a violência de gênero “em casa”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A ruptura interna no tecido católico brasileiro. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • “Não é uma guerra entre a Rússia e a Ucrânia, é uma guerra pela reorganização da ordem mundial”. Entrevista com Maurizio Lazzarato

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Dezembro 2020

A ordem de “ficar em casa” e manter o distanciamento social por conta do covid-19 e que, geralmente, é considerado um espaço seguro “tornou-se uma ameaça para mulheres e meninas”, que se tornam vítimas de abuso e violência. A pandemia aumentou esses casos, afirmou o consultor sênior de Teologia e Relações Ecumênicas da Finn Church Aid, pastor Dr. Antii Laine.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

“Olhando para o covid-19 através de uma lente de gênero, podemos ver que as várias formas de desigualdade muitas vezes operam juntas e se agravam mutuamente. Além da violência de gênero, a pandemia multiplica a desigualdade e as práticas discriminatórias que mulheres e meninas enfrentam todos os dias”, apontou. O fechamento de escolas, exemplificou, afetará a educação das meninas agora e no longo prazo, gerando um risco maior de trabalho infantil e de casamento infantil.

Laine é um dos criadores da ação ecumênica “Thursday in Black” (Quintas-Feiras em preto), que combate a violência de gênero e suas consequências. A campanha, avaliou o pastor em entrevista para o serviço de imprensa do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), ampliou a consciência internacional para essa situação que ocorre em todo o mundo.

Unir forças com parceiros ecumênicos e inter-religiosos amplifica essa voz contra a violência sexual e de gênero. Líderes religiosos gozam de autoridade e credibilidade nas comunidades locais, nacionais, regionais e globais, ocupando, pois, posição chave para informar e desafiar práticas e comportamentos destrutivos. “Juntos somos mais fortes e nossa mensagem é mais elevada”, definiu.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Além do covid, mulheres e meninas enfrentam a violência de gênero “em casa” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV