Potencial de geração de biogás é desperdiçado na Amazônia

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Dezembro 2020

Energia: 80% do potencial de geração de biogás é desperdiçado na Amazônia; 107 mil residências poderiam ser abastecidas em 4 estados

Dezembro é, tradicionalmente, um mês de aumento na conta de energia elétrica causada, em geral, pelo acionamento das térmicas para suprir o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. Buscando alternativas que completem a demanda de energia, evitem a temida bandeira vermelha e ainda incentivem atividades sustentáveis na Amazônia, o Instituto Escolhas, em parceria com o CIBiogás, divulga seu novo estudo “Biogás na Amazônia: energia para mover a bioeconomia”.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 21-12-2020.

Lançado nesta terça-feira, 15 de dezembro, o estudo destaca o potencial de quatro estados amazônicos para a geração de biogás, um tipo de gás inflamável, produzido a partir de materiais orgânicos e que, além de gerar energia, contribui para a destinação correta de resíduos e pode servir de impulso para a economia local. A análise traz dados completos em relação ao material divulgado no início de novembro, que mostra como o biogás poderia ter amenizado o apagão elétrico ocorrido durante grande parte do mês no Amapá (veja o documento aqui).

A escolha da Amazônia para o estudo, segundo o diretor executivo do Escolhas, Sergio Leitão, busca dar subsídios para o desenvolvimento da bioeconomia na região, incentivando atividades econômicas com conservação do meio ambiente: “é muito interessante ver que a partir de elementos da natureza podemos mover, promover e fazer acontecer a bioeconomia para a região amazônica, fundamental para gerar renda e manter a floresta em pé”, diz Leitão acrescentando que em abril o Escolhas fará o lançamento de novo estudo, desta vez com o potencial de geração de biogás para todos os estados da Amazônia Legal.

Leonardo Souza Marques, diretor de desenvolvimento tecnológico do CIBiogás, também apontou a relevância da parceria, destacando que o modelo aborda as características de cada região: “É muito importante entender o território e a partir desse entendimento definir estratégias para ampliar a sustentabilidade das ações, ampliando a competitividade e que aproveitam a disponibilidade de resíduos e substratos”, disse Leonardo.

Conheça os resultados

A análise do Escolhas buscou analisar o potencial de geração de biogás a partir de resíduos sólidos urbanos (RSU) e restos da piscicultura em quatro estados da Amazônia: Amazonas, Amapá, Rondônia e Roraima e chegou a um potencial de 136 milhões de m3 de biogás por ano, o suficiente para gerar 283 GWh de eletricidade por ano, atendendo 107 mil residências e beneficiando 429 mil pessoas.

Entretanto, do potencial identificado nos resíduos sólidos urbanos nos 4 estados, menos de 20% é aproveitado, já que a maioria dos municípios ainda não tem uma política adequada de destinação de resíduos sólidos e a presença de lixões ou aterros sem recuperação de gases faz parte da maior realidade no país, conforme explicou Daiana Martinez, pesquisadora do estudo e Coordenadora de Transferência de Conhecimento do CIBiogás.

“Isso mostra que há uma oportunidade imperdível para que sejam direcionados investimentos a essas unidades, que passariam a tratar os resíduos e a gerar energia”, diz Daiana.

A gerente de projetos e produtos do Escolhas Larissa Rodrigues, que coordena o estudo, destacou ainda a importância que o biogás pode ter para os municípios, especialmente os pequenos, servindo de atrativo para que eles se adequem ao marco legal de resíduos sólidos.

“Com o biogás, o custo de conversão de lixões em aterros pode se tornar investimento, economizando na eletricidade de prédios públicos ou ainda permitindo a participação em leilões”, diz Larissa.

Veja os destaques por estado:

Amapá: potencial para gerar o equivalente a 31 GWh/ano de eletricidade, o que significaria 12 mil residências atendidas e 50 mil pessoas beneficiadas

Amazonas: potencial para gerar o equivalente a 160 GWh/ano de eletricidade, o que significaria 60 mil residências atendidas e 242 mil pessoas beneficiadas

Rondônia: potencial para gerar o equivalente a 69 GWh/ano de eletricidade, o que significaria 26 mil residências atendidas e 104 mil pessoas beneficiadas

Roraima: potencial para gerar o equivalente a 24 GWh/ano de eletricidade, o que significaria 9 mil residências atendidas e 36 mil pessoas beneficiadas

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Potencial de geração de biogás é desperdiçado na Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV