Organizações repudiam tentativa do governo Bolsonaro de controlar ação de ONGs na Amazônia

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • O bispo de Tonga: “A Oceania está em risco. É hora de nos ouvirem”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Novembro 2020

Plano do Conselho da Amazônia, chefiado por Mourão, pretende ter controle de 100% sobre organizações ambientalistas brasileiras.

A reportagem é publicada por Portal Amazônia, 09-11-2020.

Em reportagem divulgada no jornal O Estado de S. Paulo nesta segunda-feira (9), informa que o governo de Jair Bolsonaro planeja norma para controlar 100% as ações de Organizações Não Governamentais na Amazônia (ONGs) até 2022, através do Conselho Nacional da Amazônia Legal, chefiado por Mourão e limitar as instituições que, na visão do Executivo, violam ‘interesses nacionais’.

Entidades assinaram um documento que tem como intuito “repudiar mais esse atentado contra os valores democráticos, a participação social e a livre associação, direitos garantidos pela Constituição Federal”.

A nota afirma que “não cabe ao Executivo controlar as atividades das organizações não governamentais em território nacional. A Constituição é explícita ao vedar a interferência estatal no funcionamento de organizações da sociedade civil e garantir a plena liberdade de associação para fins lícitos, independente de autorização governamental.”

Sem provas alguma, Bolsonaro já acusou organizações de incendiar florestas e prejudicar a imagem do País. A hostilidade do governo contra ONGs já foram registradas em discursos de ministros e ações nos bastidores, durante a COP 25, quando quatro servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), foram enviados como “espiões’ para monitorar as organizações brasileiras presentes na cúpula do clima, em dezembro de 2019.

“Os ataques e as perseguições do governo Bolsonaro à sociedade civil são uma lamentável constante em sua atuação política. Iniciativas com intuito de controle das ONGs já foram anteriormente apresentadas pelo Poder Executivo e rechaçadas pelo Parlamento Brasileiro – como no caso da Medida Provisória (MP) 870”, complementa a nota.

A MP 870 apresentava a possibilidade do governo “monitorar” a atuação de organismos internacionais e organizações não governamentais (ONGs), porém a medida foi anulada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Organizações repudiam tentativa do governo Bolsonaro de controlar ação de ONGs na Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV