Rebelião do sofrimento do inocente: Jó. Artigo de José Luis Caravias

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Julho 2020

" havia se dirigido a Deus várias vezes para protestar; agora ele o faz para aceitar e se submeter; não por resignação, mas por humilde contemplação. Apesar de todos os seus protestos, ele sempre manteve sua fé na proximidade de Deus. Sua queixa e protesto nunca foram maiores do que sua esperança e confiança", escreve José L. Caravias, jesuíta espanhol, missionário no Paraguai. A tradução é de Luis Miguel Modino.

 

Eis o artigo.

 

Vamos abandonar a ideia clássica de que é um modelo de paciência. enfrenta seu sofrimento inocente com total rebeldia. Ele não é um personagem histórico, mas uma espécie de peça de teatro, com ensinamentos profundos.

havia perdido seus bens, sua família e sua saúde. Ele acreditava, como todo mundo, que Deus recompensa os bons e pune os maus. Mas ele é uma boa pessoa e não entende por que Deus o trata tão duramente. É por isso que ele se rebela com raiva contra Deus. É assim que três amigos que o visitam enfatizam que se ele sofre tanto, é porque é um grande pecador.

Protesto radical

não aceita que seu sofrimento seja um castigo justo de Deus e, em desespero, enfrenta Deus, buscando uma resposta. Dos vermes e da podridão Jó reivindica seu direito de protestar (7,5.11). As opiniões de seus amigos de que ele sofre como castigo de Deus por seus pecados são totalmente falsas.

Ele esperava ser abençoado por ter atendido continuamente as necessidades dos pobres e defendê-los dos ímpios (29,12-17; 30,24-25; 31,13-40). "Eu esperava felicidade, mas a desgraça veio" (30:26). É por isso que ele se sente no direito de desafiar Deus (13:20-27) e os homens (6:24-30) a encontrar falhas graves em suas vidas. "Quem me dera que houvesse alguém que me ouvisse! Aqui está minha assinatura! Que o Todo-Poderoso me responda!" (31,35). "Se ao menos houvesse um árbitro entre um homem e Deus"! (16,21).

faz um protesto formal contra a doutrina oficial: Não é verdade que nesta vida Deus castiga os maus e recompensa os bons, porque ele é uma boa pessoa e sofre demais.

Ele reclama diretamente a Deus, mas em vão. Deus está em silêncio diante de sua dor. "Eu chamo por você e você não me responde; eu me apresento e você não me escuta". "Como um leão você me persegue; você gosta de triunfar sobre mim. Você está dobrando seus ataques e aumentando sua raiva contra mim" (10:16-17).

Mas acaba entendendo que seu confronto não é contra o Deus que ele busca, mas contra o Deus retribuidor representado por seus três amigos. Apesar de tanta dor, Jó continua agarrado a Deus. Ele não entende Deus, mas nunca o representa de forma errada. Ele é tão rebelde precisamente porque acredita e espera em Deus. Ele apalpa, insaciavelmente, para um senso de justiça divina. Certo de sua inocência pessoal e também certo da justiça de Deus, luta contra o mistério. Ele busca um diálogo direto com Javé (29:12-17; 31:1ss). Nele fala o homem quebrado, mas sempre um crente. Ele não se queixa de Deus, mas se queixa diretamente a Deus.

é um crente rebelde. Ele se rebela contra o sofrimento dos inocentes, contra a teologia que o justifica, e contra a imagem de Deus que esta teologia apresenta.

Ele percebe com horror que a miséria do povo não é um castigo de Deus, mas causado por aqueles que levam uma vida de luxo. "Por que os ímpios continuam a viver, prolongam seus dias e crescem fortes? Nada perturba a paz de seus lares. Eles têm a felicidade ao seu alcance, sem que Deus esteja presente em seus planos"... (21,6-7.9.16).

A miséria dos pobres é descrita por com um realismo duro (24,2-14). E o sofrimento ele também se pergunta com drama onde Deus está no meio de tanto sofrimento. "Deus não responderá suas orações?" (24,12). Por que a situação injusta dos pobres, e por que ele mesmo, é a pergunta desconcertante que ele faz insistentemente a Deus.

"Como burros selvagens no deserto, eles saem para encontrar seu alimento; embora trabalhem o dia inteiro, não têm pão para seus filhos" (24:4-11). "Os ímpios mudam os limites, roubam o rebanho e seu pastor". Eles roubam o burro dos órfãos; tomam o boi da viúva como penhor. O órfão é arrancado do peito de sua mãe; o filho do pobre homem é tomado como uma promessa"... (24,2-3.9).

A resposta de Deus

tinha desafiado Deus, e Deus finalmente lhe apareceu "desde a tempestade" (38:2-3; 40:2,7). Yahweh não responde diretamente à chamada de . Ele não lhe diz por que está sofrendo. Mas ele o sobrecarrega mostrando-lhe quão ignorante e pequeno ele é. "Onde você estava quando eu estava fundando a Terra?" (38,4). Seu problema pessoal é absorvido pelo universal.

pedia para encontrar Deus (13,15-16). E Deus se manifesta a ele abertamente, embora não como ele queria. queria discutir com Deus (13,20-24). E ele consegue ter Deus presente e convertê-lo. É assim que ele o reconhece: "Agora meus olhos te viram" (42:5). Mas Deus lhe mostra que ele não é ninguém para discutir com ele. Deus sabe a razão pela qual os justos sofrem. Ele não tem que prestar contas a ninguém.

Segundo Deus, os três amigos estavam errados: os sofrimentos de Jó não eram punição por nenhum tipo de pecado. Ele reprova os três porque fingiram defender Deus e acontece que eles o insultaram: "Vocês não falaram bem de mim, como meu servo Jó, mas eu vos perdoarei por causa dele" (42,8). Era verdade que os amigos não passavam de "charlatães"! (13,4). Eles haviam procurado convencer de que ele era culpado, assim como alguns hoje procuram convencer as pessoas de que seus sofrimentos são punição por seus pecados.

A "sabedoria" dos três companheiros de Jó não serve para confortar ninguém de sua dor. Nem menos, para entender ou defender Deus. Yahweh diz a Elifaz: "Estou muito zangado com você e seus dois amigos" (42:7). Aqueles que fingem ser os defensores de Deus, acabam por ser os condenados de Deus. E eles precisam da mediação do trabalho irreverente para que Deus não leve em conta sua imprudência tola.

A reconciliação de Jó com Deus

vai além da aceitação de sua pequenez. Ele compreendeu Deus de alguma forma, e por isso abandona sua atitude de reclamação: "Reconheço que você pode fazer tudo e que é capaz de realizar todos os seus projetos. Falei sem inteligência de coisas que eu não sabia, de coisas extraordinárias, superiores a mim. Eu o conhecia apenas por rumores; mas agora meus olhos o viram. É por isso que repudio e abandono a poeira e as cinzas" (42, 2-6).

Ele deixa sua atitude de reclamação e lamento. Ele renuncia à sua tristeza experiencial, e se entrega confiante nas mãos de Deus. Ele reconhece que Deus tem planos realizáveis, misteriosamente superiores ao que nós humanos poderíamos supor; ele está muito feliz por ter encontrado seu Senhor e está pronto para abandonar sua atitude anterior de reclamação e amargura.

O mundo não está no caos, como ele havia imaginado. Seria, se a teoria da retribuição pessoal apresentada pelos amigos de fosse verdadeira... Mas acontece que Deus tem belos planos, e os realiza livremente, mesmo que não os compreendamos.

Nem tudo é claro para , mas ele não se deixa mais sufocar pelas crenças retribucionistas. Agora ele intui que existem "coisas extraordinárias, maiores do que eu".

havia se dirigido a Deus várias vezes para protestar; agora ele o faz para aceitar e se submeter; não por resignação, mas por humilde contemplação. Apesar de todos os seus protestos, ele sempre manteve sua fé na proximidade de Deus. Sua queixa e protesto nunca foram maiores do que sua esperança e confiança.

O primeiro passo que deu para sair de seu afundamento foi sua sincera rebelião; depois ele simpatizou com a dor dos outros; agora ele dá o salto final, aceitando o poder e a liberdade de Deus. Pela dor ele sabia como encontrar seus irmãos e Deus. (40, 4-5; 42,2-6).

O tema subjacente ao livro de Jó é como se pode acreditar em Deus pelo sofrimento dos inocentes que se rebelam e lutam para sair de sua dor. É uma questão de rezar a Deus do ponto de vista da rebelião, mas respeitando seu mistério. Deus gosta que protestemos contra nossos males, desde que nos dirijamos a Ele com toda sinceridade, sem que o façamos responsável por nossos sofrimentos. Ele sabe por quê e para quê. Vamos dar-lhe um voto de confiança.

nos diz: Vá, e proteste como eu faço. Não fuja de Deus. Encare isso. Esteja de acordo com ele, lute com ele... até que ele chegue diante de você, o ultrapasse com sua sabedoria, e você acabe conhecendo-o de uma nova maneira. Você verá então como tudo muda.

No processo de revelação progressiva, alguns séculos depois, Jesus completará a imagem de Deus como um mistério de amor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rebelião do sofrimento do inocente: Jó. Artigo de José Luis Caravias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU