Anglicanos denunciam violência do Estado contra negr@s e indígenas

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Junho 2020

O racismo é pecado e deve ser denunciado. Todos os grupos vítimas de racismo devem ter sua dignidade reconhecida e protegida, proclamam @s nove bispos e bispas da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) num pronunciamento em resposta a pedido de fiéis preocupados com o genocídio de pessoas negras e indígenas no país.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista. 

“É preocupante o cenário de escalada da cultura do racismo que temos diante dos olhos, insuflada institucionalmente desde o Governo Federal, a ponto de se proliferarem episódios de crime e ódio ou discriminação racial escancaradamente”, expressam @s bisp@s. El@s apontam, neste cenário, o desmantelamento de órgãos públicos como a Fundação Cultural Palmares e a Fundação Nacional do Índio (Funai). 

A Câmara de Bisp@s anglicana denuncia a “violência física contra negros e indígenas, ocorrida por mãos de policiais, para aqueles, e de grileiros, para estes, contando com a indiferença do Estado e, em casos específicos, sua própria anuência”. 

No pronunciamento, bisp@s episcopais reportam-se ao capitalismo “que se alimenta da segregação classista, racista e sexista de pessoas e grupos, atualmente corporificado na necropolítica” instalada no país, que “expõe a atualização do fascismo e desumaniza e nega a vida como bem inalienável que, para nossa fé cristã, é o maior bem que recebemos de Deus”. 

A pandemia de covid-19 “escancarou mais uma vez a necropolítica que hierarquiza os sujeitos por grau de importância, elegendo para a morte populações fragilizadas, ao negar-lhes o acesso a direitos básicos que, juntos, formam o que chamamos de saúde integral”. Dados de contaminação e morte provocadas pelo coronavírus mostram que tais populações são as mais vulneráveis, denunciam lideranças da IEAB

Também o sofrimento de mulheres negras ganhou destaque na manifestação d@s bisp@s, “principais vítimas da violência doméstica e femicídio, cujos números de ocorrência se aprofundaram no contexto da covid-19”, além da dor de tantas outras mulheres cujos filhos – Marco Vinícius, Maria Eduarda, Ágatha, João Pedro e Miguel – “tiveram inocentemente suas vidas ceifadas em decorrência da necropolítica a que são submetidas as populações negras”.

Bispos e bispas motivam todas as instâncias da IEAB a ampliarem o discipulado, o profetismo e a diaconia a afrodescendentes e indígenas, “de modo que nossa comunhão seja significativamente uma comunhão para todas as gentes, como pretende o ethos anglicano”. Também pedem às comunidades para que sejam igrejas de acolhimento integral e seguras para essas pessoas, seja na luta antirracista e na proteção contra toda forma de ódio.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Anglicanos denunciam violência do Estado contra negr@s e indígenas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU