Em pesquisa na UFRGS, nutricionista descobre taxa de insegurança alimentar de 70% entre recicladores

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Deus dos desgraçados. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Itália. Hospitais sem médicos: o governador da Calábria contrata 500 especialistas cubanos

    LER MAIS
  • E se um pesadelo acontecesse na Igreja? O papa em coma

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2019

Durante dois anos a nutricionista Cássia Medino Soares atuou na fiscalização das cozinhas pelas quais a Coordenadoria de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Município de Porto Alegre (Cpsans) era responsável.

A informação é de Annie Castro, publicada por Sul21, 19-05-2019.

Nesse período, Cássia acompanhou de perto a situação da alimentação em espaços de maior vulnerabilidade social, como em unidades de reciclagem, por exemplo. Essa vivência despertou na nutricionista a vontade de realizar um projeto que pudesse mudar a realidade enfrentada pelas populações que frequentam esses espaços.

A partir disso, Cássia decidiu avaliar os níveis de vulnerabilidade alimentar dos trabalhadores de unidades de triagem de resíduos da cidade. “Eu busquei fazer uma pesquisa que fosse ter algum retorno, tanto para as pessoas que estão sendo estudadas quanto para a população em geral”, afirma a nutricionista. Assim, durante seu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ciências em Gastroenterologia e Hepatologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Cássia analisou 123 trabalhadores, com idades entre 40 e 50 anos, de duas unidades da zona norte, uma localizada na Lomba do Pinheiro e outra na Vila Pinto.

O processo de estruturação do projeto durou cerca de um ano. Antes da coleta de dados, foram realizadas visitas às duas unidades de triagem. “Fomos para fazer uma explicação e uma sensibilização de por que estava acontecendo o estudo”, conta Cássia. Já a coleta de dados durou cerca de três dias. Cássia e sua sua orientadora, a professora Valesca Dall’Alba, convidaram uma equipe multidisciplinar, que continha nutricionistas, técnicos em enfermagem, médicos, psicólogos, educadores físicos e bioquímicos, para realizar a pesquisa nas unidades. De acordo com a nutricionista, o estudo foi feito com base na Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA). “Ela vem de um modelo de escala dos Estados Unidos, mas que foi validada na população brasileira através do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD)”, explica. De acordo com ela, a escala é formada por um questionário com 30 questões que avaliam se o entrevistado passa fome diariamente, se já passou fome em algum momento da vida e se possui uma alimentação de qualidade.

O estudo detectou uma taxa de 74% de insegurança alimentar em algum grau nos trabalhadores das duas unidade. “O que a gente viu também é que mais de 60% [dos trabalhadores] têm medo de passar fome, e que uns 40% chegaram já a passar fome ao longo da vida”, conta. Cássia ainda ressalta que alguns trabalhadores não possuem uma residência fixa e, por isso, acabam ficando de fora de pesquisas como a PNAD. “A gente viu que a porcentagem de insegurança nas unidades é maior que em Porto Alegre em si. Claro que é uma amostra menor, mas, às vezes, essas pessoas não entram na pesquisa porque não têm como ir na casa delas entrevistar”, afirma.

Cássia explica que as cozinhas das unidades de triagem são responsáveis por fazer a refeição para os trabalhadores: “A unidade elege alguém que tenha mais prática com a cozinha e ela vai ser a cozinheira. Essa pessoa vai preparar a refeição contabilizando todas pessoas, só que ela vai usar para fazer esse alimento o repasse da Prefeitura, que normalmente é o feijão e arroz”. De acordo com ela, às vezes são repassados para as unidades outros tipos de alimentos. “Depende de alguma instituição doar para o banco de alimentos, mas quase sempre é carboidrato. Antigamente, a gente tinha o programa de compras institucionais em que conseguíamos comprar da agricultura familiar e fazer, por exemplo, peixes, a proteína. Mas foram vários cortes que aconteceram na questão de alimentação e acabou ficando mais as leguminosas”, afirma.

Dessa forma, os trabalhadores são responsáveis por levar uma “mistura” para complementar a refeição. “A mistura é a salsicha, o hambúrguer, desses barato que tem no super, os nuggets, são todos os embutidos. Tudo que for mais em conta, a proteína mais barata que eles encontrarem”, explica Cássia. Ela conta que algumas das pessoas entrevistadas fazem somente aquela refeição no dia.

Dentre os motivos que podem causar uma taxa tão alta de insegurança alimentar entre os trabalhadores, Cássia pontua alguns: “o trabalho de risco, estarem inseridos em regiões de alta vulnerabilidade; a unidade da Lomba do Pinheiro, por exemplo, trabalha com resíduos hospitalares, isso aumenta a vulnerabilidade; a questão de acesso à educação, a falta de um trabalho formal com um salário fixo, já que o salário deles vem proporcional ao que eles reciclam”.

Cássia também menciona que é comum que os trabalhadores comam os alimentos que vão junto com os resíduos. “Às vezes eles vão comer o alimento que acharem na esteira porque têm o medo da fome. É escolher entre comer um fungo ou não comer nada e ficar com o estômago roncando o resto do dia. Então, a redução de dano é comer”, explica. De acordo com ela, a insegurança alimentar observada nos trabalhadores é um sintoma multifatorial.

Além da relação com a alimentação, o estudo também avaliou nos trabalhadores o uso de substâncias químicas e a infecção por doenças sexualmente transmissíveis. “A gente fez isso também porque a sífilis estava com índice bem alto em Porto Alegre. Então, encontramos um alto índice na população de pessoas que não sabiam que tinham essa DST e agora estão fazendo tratamento”, conta.

Cássia afirma que os testes foram realizados para tentar traçar no estudo uma relação da insegurança alimentar com a falta de alguns auto cuidados, como o uso de preservativos, por exemplo. “Alguns dos trabalhadores não tiveram a oportunidade de ir para a escola ou não têm uma família estruturada, o preservativo também é tabu, então, tentamos avaliar a pessoa de uma forma geral, avaliando também o cuidado que ela tem com a alimentação, visto que, às vezes, ela não se importa muito com o que ingere pelo medo da fome”.

Agora, após ter analisado a vulnerabilidade alimentar das duas unidades, Cássia pretende mapear as outras unidades que estão em funcionamento em Porto Alegre. “Quero abranger todas elas no meu doutorado”, afirma. A ideia da nutricionista é descobrir quais são as necessidades particulares de cada unidade da cidade para criar um projeto que diminua a insegurança alimentar de quem trabalha com a reciclagem de resíduo nesses espaços. “Queremos tentar levar esses dados para a Prefeitura para criar provas documentadas da situação e para que talvez haja repasse de verba para a alimentação; quem sabe dar ênfase para a agricultura familiar, criando novas demandas e geração interna de renda; também pensando em criar mais hortas dentro das unidades e também levar para fora essas informações, para o Vozes da Fome, por exemplo, que é um projeto da ONU”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em pesquisa na UFRGS, nutricionista descobre taxa de insegurança alimentar de 70% entre recicladores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV