Equador. Tribunal aprova consulta popular sobre paraísos fiscais

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: João Flores da Cunha | 22 Novembro 2016

A corte constitucional do Equador deu parecer favorável à realização de uma consulta popular no país sobre paraísos fiscais. A iniciativa do presidente Rafael Correa busca impedir que pessoas que têm recursos em países que operam como paraísos fiscais exerçam cargos no setor público equatoriano. A decisão foi anunciada no dia 18-11.

O tribunal considerou que a pergunta proposta por Correa é constitucional. Os equatorianos irão responder se “est[ão] de acordo que, para desempenhar uma função de eleição popular ou para ser servidor público, se estabeleça como proibição ter bens ou capitais, de qualquer natureza, em paraísos fiscais?”. A consulta deve ser realizada junto com as eleições presidenciais, em fevereiro de 2017.

A iniciativa está sendo tratada pelo governo como “Pacto ético já”. Se aprovada, futuros candidatos à presidência, por exemplo, precisariam demonstrar que não têm recursos em paraísos fiscais para se candidatar.

Segundo dados do governo, apenas entre 2014 e 2015, o Equador perdeu 3,4 bilhões de dólares para os paraísos fiscais – quantia que seria suficiente para pagar os danos causados pelo terremoto que atingiu o país em abril, de acordo com Correa.

Se a população aprovar a iniciativa de Correa, inicia-se um período de transição de um ano em que leis do país devem ser alteradas e em que os servidores públicos devem se desfazer de dinheiros e bens localizados em paraísos fiscais. Basta a metade mais um dos votos para que a iniciativa seja aprovada. 12,8 milhões de equatorianos estão habilitados a votar.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Equador. Tribunal aprova consulta popular sobre paraísos fiscais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU