Bose: o ser humano é cuidador da criação

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Arquidiocese italiana permite que católico transgênero seja crismado sob novo nome

    LER MAIS
  • O novo humanismo do Papa Francisco: ser pessoas normais, concretas, simples, com o pé no chão

    LER MAIS
  • A força transformadora da escuta hospitaleira e convivial

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Setembro 2012

Depois da paridade entre as raças e entre os sexos, a paridade entre as espécies é a meta ética do Terceiro Milênio. Assim pensa o movimento animalista, ao qual o próprio papa, dedicando o ano passado à questão ecológica a mensagem para o Dia Mundial da Paz, parece olhar.

A reportagem é de Silvia Ronchey, publicada no jornal La Stampa, 05-09-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Se a igualdade de direitos entre a espécie humana e a animal já havia sido defendida pelo paganismo grego, a tradição judaico-cristã também sempre se perguntou, com o Eclesiastes: "Quem pode saber se o sopro vital do homem sobe para o alto, e o do animal desce para baixo da terra?" (Eclesiastes 3, 21), como lembra Enzo Bianchi na esplêndida e profunda conferência introdutória do XX Congresso Ecumênico Internacional de Espiritualidade Ortodoxa, que iniciou na manhã dessa quinta-feira, 6, em Bose, na Itália.

É verdade que o antropocentrismo cristão, por milênios, considerou os animais ao serviço do ser humano, aliando-se nisso com o judaísmo ("Todo animal que vive e se move servirá de alimento para vocês", Gênesis 9, 3; "Dominem os peixes do mar, as aves do céu", Gênesis 1, 28, dos quais Bianchi propõe, além disso, uma nova leitura).

Mas cada vez mais frequentemente, no século XIX, o cristianismo pós-conciliar equiparou o ser humano ao resto dos seres vivos. Se a Igreja Ortodoxa está na vanguarda da luta contra os "pecados contra a natureza", no mundo católico floresceu mais do que um mea culpa pelo "pecado do antropocentrismo". Mas não é uma questão de desculpas ou arrependimentos.

O pleno interconfessional de estudiosos reunidos em Bose mostrará que a ideia de uma redenção cósmica – não só para os seres humanos, mas também para os animais, as plantas e até para os minerais – indicada em Paulo (" A própria criação espera ser liberta da escravidão da corrupção material", Romanos 8, 19-22) se perpetua em uma longa tradição mística, antecipando o que Bianchi chama, em oposição ao "panteísmo" pagão, de "panenteísmo" cristão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bose: o ser humano é cuidador da criação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV