Para Fazenda, dívida das famílias supera índice oficial

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A arte da leitura. Artigo de Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • Maria Madalena era realmente de Magdala? Duas pesquisadoras investigam isso

    LER MAIS
  • Estudo mostra que SARS-CoV-2 pode ficar no organismo por tempo superior ao recomendado para quarentena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Julho 2012

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda calcula que o nível de endividamento das famílias brasileiras é mais alto do que o índice oficial divulgado pelo Banco Central. Segundo estimativa divulgada, por engano, pela secretaria em seu site, o estoque da dívida das famílias brasileiras corresponde a 63,9% da sua renda anual, descontados os impostos.

A reportagem é de Júlia Borba e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 06-07-2012.

Para o BC - que compara o total de salários e benefícios sociais recebidos pelas famílias com o estoque das dívidas que elas têm junto às instituições financeiras - o endividamento é de 44%.

A Folha descobriu a discrepância em uma apresentação feita pelo secretário da pasta, Márcio Holland, há cerca de duas semanas e divulgada no site da Fazenda. Em um dos slides, a nota de rodapé diz que os dados não devem ser tornados públicos.

O documento da Fazenda defende que a estatística do BC não deveria ser utilizada para realizar comparações com outros países porque a autoridade monetária adota uma metodologia "significativamente diferente". Daí o uso dos 63,9%.

Procurada pela Folha, a secretaria retirou a apresentação do site e informou, em nota, que "o dado de 63,9% é fruto de um exercício preliminar (que se mostrou impreciso) no qual se buscava aproximar a metodologia brasileira da utilizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico".

A secretaria também disse entender que a metodologia do BC é adequada.

O BC não quis comentar.

O nível de endividamento das famílias brasileiras está no centro do debate econômico nacional. Para garantir a retomada do crescimento neste ano, o governo apostou todas as suas fichas no estímulo ao consumo por meio de crédito. A estratégia vem gerando críticas.

Em junho, a presidente disse que o crescimento do consumo significa inclusão. "Não temos um nível elevado de endividamento das famílias, é só pegar os padrões internacionais", disse Dilma.

Para o economista José Márcio Camargo, da Opus de investimento e professor da PUC-Rio, mesmo que a situação pareça menos alarmante em um contexto mais amplo, a dificuldade de pagamento no Brasil merece destaque.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para Fazenda, dívida das famílias supera índice oficial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV