A democracia na Igreja

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Julho 2011

A pressão que um abaixo-assinado exerce sobre os governantes da Igreja ou do Estado não é normalmente uma pressão para agir, mas sim para reconhecer uma realidade que eles preferem ignorar e para reconhecer a força do interesse público a respeito. Essa pressão é apropriada.

A opinião é de Andrew Hamilton, SJ, professor da United Faculty of Theology, de Melbourne, em artigo para o sítio Eureka Street, revista eletrônica dos jesuítas da Austrália, 20-07-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Nas últimas semanas, a mídia deu alguma cobertura a um abaixo-assinado que circula entre os católicos australianos. A petição foi composta por um grupo de leigos/as chamado Catholics for Renewal, formado por católicos que têm sido ativos na vida da paróquia. Eles esperam que muitos católicos assinem o abaixo-assinado e que os bispos comuniquem o seu conteúdo ao Papa Bento XVI quando o encontrarem no final do ano.

O abaixo-assinado oferece um quadro sombrio do estado da Igreja Católica. Ele fala de uma Igreja que perdeu o contato com os jovens. Muitos católicos mais velhos também se tornaram cada vez mais desafeitos. A Igreja tem sido incapaz de oferecer uma pastoral às comunidades, especialmente nas áreas rurais.

O documento atribui o mal-estar, em parte, a defeitos na governança, manifestados no tratamento dado aos abusos sexuais por parte de representantes da Igreja, no processo pelo qual o bispo Morris foi demitido, na atitude às mulheres dentro da Igreja e na incapacidade dos bispos de adotar estratégias pastorais adequadas às suas próprias dioceses. Ele também oferece um ponto de vista de uma Igreja fiel e propõe que sínodos pastorais sejam realizados, reunindo os recursos dos/as leigos/as e dos clérigos.

A petição levanta duas questões: sobre a verdade da sua argumentação e sobre o lugar que tais abaixo-assinados gerados por leigos/as têm na governança da Igreja Católica.

Embora alguns relatos da mídia apresentaram a petição como radical, suas afirmações e solicitações são moderadas. Sua leitura da perda geral de contato por parte da Igreja com os jovens é apoiada pela declínio na participação da missa. O afastamento das jovens católicas tem sido notada há muitos anos, e observadores também notaram a desilusão mais recente de muitos católicos mais velhos.

A falta extrema de recursos, especialmente nas dioceses rurais, e a inadequação das estratégias pastorais atualmente disponíveis para enfrentá-la são cada vez mais evidentes. Assim como os efeitos corrosivos que o fracasso anterior de lidar adequadamente com os abusos sexuais teve na confiança na governança.

A falta de um devido processo evidente na nova tradução da missa e no tratamento dado a Morris também foi amplamente criticada. O desejo de uma Igreja na qual as mulheres sejam tratadas como iguais, que seja livre da homofobia e na qual o estado da Igreja e das estratégias de pastoral possa ser discutido honestamente deve ser irrepreensível, mesmo que a forma como esse desejo pode ser melhor conservado e consagrado na prática seja uma questão de debate.

A proposta de que sínodos diocesanos sejam realizados é modesta. Mas, embora eles provavelmente não irão incluir aqueles que abandonaram a Igreja e não possuam poder executivo, a discussão aberta e honesta da situação das Igrejas locais e de sua reparação só pode ser útil. Eles podem formar a fundamentação das estratégias pastorais que irá se basear mais do que em retórica.

A segunda questão levantada pelo documento diz respeito ao lugar dos abaixo-assinados dentro da Igreja.

Para alguns católicos, os abaixo-assinados parecem ser inadequados. Eles acreditam que o papa e os bispos receberam a responsabilidade de Deus para guiar e liderar o seu povo e que eles são responsáveis apenas diante de Deus. Os abaixo-assinado de leigos/as católicos/as pressupõem um nível de propriedade da Igreja que eles não têm e que só pode turvar as águas. Os bispos australianos, portanto, deveriam jogá-los na cesta do lixo, como muitos bispos europeus fizeram quando leigos/as católicos/as pressionaram pela reforma da Igreja.

Esse ponto de vista não é convincente. Ele supõe que a responsabilidade do bispo que vem de Deus pelo seu povo é incompatível com a sua responsabilidade ao seu povo e com a responsabilidade pela Igreja que todas as pessoas recebem com o batismo. Essas formas de responsabilidade atuam em diferentes níveis e são consistentes umas com as outras. Cada uma deve ser expressada na forma pela qual bispos e povo se envolvem uns com os outros.

Nesse contexto, abaixo-assinados ocasionais parecem ser uma forma tão apropriada de engajamento dentro da Igreja, quanto o são na vida política. A pressão que uma petição exerce sobre os governantes da Igreja ou do Estado não é normalmente uma pressão para agir, mas sim para reconhecer uma realidade que eles preferem ignorar e para reconhecer a força do interesse público a respeito. Essa pressão é apropriada.

Os abaixo-assinados têm o valor uma vez atribuídos aos canários das minas [os pássaros, por serem mais sensíveis, adoeceriam antes que os mineiros, que poderiam fugir ou se defender dos gases tóxicos]. Seu testemunho podia ser descartado pelos proprietários das minas que desejassem que seus negócios continuassem como de costume. Mas essa recusa não tornava a mina um espaço salubre e habitável. Para promover a saúde da empresa e dos seres humanos nela envolvidos, normalmente era melhor alimentar os canários e ouvir o seu canto.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A democracia na Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV