Nada disso entre nós

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Sturm und drang: quando um vigário geral abandona a Igreja

    LER MAIS
  • O trigo bloqueado ameaça o mundo

    LER MAIS
  • Novo livro alerta sobre a implosão da Igreja na França

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Outubro 2018

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 10, 35-45 que corresponde ao 29° Domingo do Tempo Comum, ciclo B, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Eis o texto

Enquanto sobem para Jerusalém, Jesus vai anunciando aos seus discípulos o destino doloroso que o espera na capital. Os discípulos não o entendem. Estão disputando entre eles os primeiros lugares. Santiago e João, discípulos desde a primeira hora, aproximam-se dele para pedir-lhe diretamente sentar-se um dia “um à Tua direita e o outro à Tua esquerda”.

Jesus fica desalentado: “Não sabeis o que pedis”. Ninguém no grupo parece entender que segui-lo de perto no seu projeto sempre será um caminho sem poder nem grandezas, mas de sacrifício e de cruz.

Entretanto, ao ficarem sabendo do atrevimento de Santiago e João, os outros dez indignam-se. O grupo está mais agitado que nunca. A ambição os divide. Jesus reúne-os a todos para deixar claro o seu pensamento.

Antes de tudo expõe-lhes o que acontece aos povos do Império romano. Todos conhecem os abusos de Antipas e das famílias herodianas na Galileia. Jesus resume assim: os que são reconhecidos como chefes utilizam o seu poder para “tiranizar” os povos, e os grandes não fazem senão “oprimir” os seus súditos. Jesus não pode ser mais categórico: “Vós, nada disso”.

Jesus não quer ver entre os seus nada semelhante: “O que queira ser grande entre vós que seja vosso servidor, e o que queira ser primeiro entre vós que seja escravo de todos”. Na sua comunidade não haverá lugar para o poder que oprime, só para o serviço que ajuda. Jesus não quer chefes sentados à sua direita e esquerda, mas servidores como Ele que dão a sua vida pelos demais.

Jesus deixa as coisas claras. Sua Igreja não se constrói a partir da imposição dos de cima, mas a partir do serviço dos que se colocam abaixo. Não cabe qualquer tipo de hierarquia em termos de honras ou de domínio. Tampouco métodos e estratégias de poder.  o serviço o que constrói a Igreja de Jesus.

Jesus dá tanta importância ao que está a dizer que se coloca a si mesmo como exemplo, pois não veio ao mundo para exigir que o sirvam, mas “para servir e dar a Sua vida em resgate por todos”. Jesus ensina-nos que ninguém triunfe na Igreja, que não seja para servir o projeto do reino de Deus, dando a vida pelos mais débeis e necessitados.

Os ensinamentos de Jesus não são só para os dirigentes. Desde tarefas e responsabilidades diferentes temos de comprometer-nos todos a viver com mais entrega ao serviço do seu projeto. Não necessitamos na Igreja de imitadores de Santiago e João, mas de seguidores fiéis de Jesus. Os que querem ser importantes, que se ponham a trabalhar e a colaborar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nada disso entre nós - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV