Das políticas neoliberais de Macri, na Argentina, às políticas estatistas de Maduro, na Venezuela, a fome cresce na América Latina

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A arte da leitura. Artigo de Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • Maria Madalena era realmente de Magdala? Duas pesquisadoras investigam isso

    LER MAIS
  • Estudo mostra que SARS-CoV-2 pode ficar no organismo por tempo superior ao recomendado para quarentena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Lara Ely | 21 Outubro 2017

A Argentina alcançou o objetivo de se qualificar para a Copa do Mundo de 2018, mas arrisca não erradicar a fome em seu território antes de 2030. E, juntamente com ela, quatro outros países da América Latina: Equador, El Salvador, Peru e Venezuela. O índice divulgado esta semana no relatório Panorama da segurança alimentar e nutricional na América Latina e no Caribe 2017, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e Organização Pan-Americana da Saúde (OPS), demonstra a incapacidade dos governos latinos em superar uma dificuldade básica, sem a qual outros indicadores de desenvolvimento não avançam.

De acordo com o documento, em 2016, 42,5 milhões de pessoas na região passaram fome. O número representa um aumento de 2,4 milhões. Se essa tendência continuar, diz a publicação, será muito difícil que a região alcance o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) de nº 2 — Fome Zero e Agricultura Sustentável.

O problema da fome aparece tanto nos países presididos por uma frente política de atuação neoliberal, como a Argentina de Maurício Macri, o  Peru de Pedro Pablo Kuczynski e El Salvador de Salvador Sánchez Cerén, como no moderado/centro-esquerda Equador de Lenín Moreno e na esquerda ditatorial de Venezuela Nicolás Maduro.

Brasil, Cuba e Uruguai são os países com menor porcentagem de pessoas subnutridas, com menos de 2,5% de sua população, uma percentagem que permaneceu inalterada desde 2010. Argentina, Chile e México continuam a ter uma porcentagem abaixo de 5%. Embora na Argentina, como o relatório mostra, o número de pessoas subnutridas aumentou de 3,4% para 3,6%, recuando para o nível de cinco anos atrás. No outro extremo da escala está o Haiti, onde a porcentagem de subnutridos caiu de 48,2% para 46,8%. Está precedido da Bolívia, com 20,2%, Nicarágua, com 17% e Honduras, com 14,8%.

O Brasil é um dos países da América Latina e do Caribe que poderá alcançar o ODS 2, segundo a publicação. “O país manteve o indicador da fome abaixo dos 2,5% nos últimos anos, o que faz com que a meta de erradicação possa ser cumprida em 2030, caso haja continuidade dos investimentos em políticas públicas voltadas às populações mais vulneráveis”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Das políticas neoliberais de Macri, na Argentina, às políticas estatistas de Maduro, na Venezuela, a fome cresce na América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV