100 mil trabalhadores rurais entram em greve no Sertão

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Fevereiro 2017

Na última quinta-feira (16) mais de 100 mil trabalhadores rurais assalariados da hortifruticultura cruzaram os braços na região do Vale do São Francisco, que compreende Pernambuco e Bahia. Os sindicatos avaliaram que estava impossível dar continuidade às negociações salariais, alegando que os empresários só propunham redução dos direitos conquistados nos últimos anos pela categoria. A última greve dos trabalhadores da hortifruticultura da região ocorreu há 13 anos.

A reportagem é publicada por Brasil de Fato, 17-02-2017.

Segundo os agricultores, os patrões estão querendo retirar as conquistas das convenções coletivas. Entre as propostas dos empresários estão: o fim dos 45 dias de estabilidade, sem demissões, após a data base da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT); o fim do pagamento das horas extras, sugerindo a criação do “banco de horas”; o fim do pagamento das “horas in tinere”, que são as horas gastas no trajeto para o trabalho quando não há transporte público para o estabelecimento; e a classe patronal sugere ainda que os trabalhadores passem a arcar com as despesas do transporte para o local de trabalho. As negociações da campanha salarial tiveram início em janeiro.

Após seis reuniões com a classe patronal, os sindicatos realizaram nova escuta da categoria em seus locais de trabalho, informando a proposta dos empresários. No dia 8, durante uma visita à empresa de hortifruti Shimabukuro, a dirigente sindical Simone Paim, do STR Petrolina, foi agredida verbal e fisicamente em frente aos trabalhadores. A agressora, a empresária chinesa Mikiko Koshiama Shimabukuro, foi denunciada ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

Os trabalhadores decidiram, no dia 14, deflagrar a greve, que teve início após o prazo legal de 48 horas. As negociações foram conduzidas pelos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STRs) de Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Lagoa Grande, Inajá e Belém do São Francisco, em Pernambuco, pelos STRs de mais cinco cidades da Bahia; pelas federações de trabalhadores assalariados rurais de Pernambuco (Fetaepe), trabalhadores na agricultura de Pernambuco (FETAPE) e da Bahia (FETAG).

Os trabalhadores reivindicam piso salarial unificado em R$ 987,00, cesta básica e um reajuste de 10% para os que recebem salário acima do piso. O diretor de política salarial da FETAPE, Gilvan José Antunes, afirma que “os empresários não reconhecem que os milhares trabalhadores e trabalhadoras assalariados da hortifruticultura têm contribuído diretamente para o desenvolvimento da região do Vale do São Francisco”. Antunes reclama que o patronato continua apresentando propostas que ameaçam os direitos da categoria. “A negociação da campanha salarial está travada, por isso é importante a deflagração da greve. Não podemos aceitar retrocessos. Se os patrões mudarem a posição, a categoria estará aberta ao diálogo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

100 mil trabalhadores rurais entram em greve no Sertão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV