As vidas devastadas que os ricos não veem. Artigo de Ulrich Beck

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Ratzinger, além de Munique, há uma página negra em seu pontificado. Artigo de Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Setembro 2009

"A injustiça social grita por vingança. Na crise da economia mundial, os ricos pagam – no pior dos casos – em valores acionários, enquanto os mais vulneráveis, que justamente não têm nada a ver com a crise, "pagam-na" com a moeda líquida da sua chamada existência. Não são mais "pobres" – o conceito é muito frágil. Falar de "classe" seria um cínico eufemismo."

Zygmunt Bauman as chamou de "wasted lifes", em uma analogia que tem dificuldade para tolerar as montanhas de rejeitos produzidos permanentemente pelo "capitalismo sempre mais veloz e sempre mais belo". Bauman fala das subcidades invisíveis, nas quais esses "wasted humans" vegetam. Já não é um progresso que eles estejam onipresentes nas principais ruas de San Francisco?

Certamente, a coexistência reconciliada entre a pobreza mais desoladora e a riqueza não é nada nova. Mas, na política interna mundial, é uma injustiça que grita por vingança hoje, quando a igualdade social se tornou uma expectativa difundida em todo o mundo, e as crescentes desigualdades não podem ser justificadas como queridas por Deus, nem ser escondidas atrás dos muros dos Estados nacionais. Mas também é um problema moral para mim, para a minha geração, para o sociólogo alemão. Jogamos na cara de nossos pais: "Como puderam!". E hoje? Milhares de cidadãos do mundo norrem nas fronteiras marítimas da União Europeia, milhões de crianças morrem de fome por ano. Mas nós viramos a cabeça para o outro lado. Tudo isso é, ao mesmo tempo, banal, desarmante e profundamente vergonhoso.

(cfr. notícia do dia 09-09-09, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As vidas devastadas que os ricos não veem. Artigo de Ulrich Beck - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV