Sair a semear

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Ucrânia, Terceira Guerra Mundial e o guia do Papa Francisco para a Igreja. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • Depois da cristandade. O catolicismo em um futuro mais secular

    LER MAIS
  • As necessárias “heresias” de Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Julho 2011

José Antonio Pagola, teólogo espanhol, comenta o Evangelho de hoje, Mateus, 13, 1-23. A tradução para o português é de  Antonio Manuel Álvarez Pérez. A revisão é da IHU On-Line.

Eis o comentário.

Antes de contar a parábola do semeador que «saiu a semear», o evangelista apresenta-nos Jesus que «sai de casa» para encontrar-se com as pessoas, para «sentar-se» sem pressa e dedicar-se durante «muito tempo» a semear o Evangelho entre todo o tipo de pessoas. Segundo Mateus, Jesus é o verdadeiro semeador. Dele temos de aprender também hoje a semear o Evangelho.

Primeiro é sair de nossa casa. É o que pede sempre Jesus aos seus discípulos: «Ide por todo o mundo…», «Ide e fazei discípulos…». Para semear o Evangelho temos de sair da nossa segurança e dos nossos interesses. Evangelizar é "deslocar-se", procurar o encontro com as pessoas, comunicarmos com o homem e a mulher de hoje, não viver encerrados no nosso pequeno mundo eclesial.

Esta "saída" para os outros não é proselitismo. Não tem nada de imposição ou reconquista. É oferecer às pessoas a oportunidade de encontrar-se com Jesus e conhecer uma Boa Nova que, se a acolhem, lhes pode ajudar a viver melhor e de forma mais acertada e sã. É o essencial.

A semear não se pode sair sem levar conosco a semente. Antes de pensar em anunciar o Evangelho a outros, temos de o acolher dentro da Igreja, nas nossas comunidades e nas nossas vidas. É um erro sentirmo-nos depositários da tradição cristã com a única tarefa de transmiti-la a outros. Uma Igreja que não vive o Evangelho, não pode contagiá-lo. Uma comunidade onde não se respira o desejo de viver seguindo os passos de Jesus, não pode convidar ninguém a segui-la.

As energias espirituais que há nas nossas comunidades ficam, muitas vezes, inexploradas, bloqueadas por um clima generalizado de desalento e desencanto. Dedicamo-nos apenas a "sobreviver" mais que a semear vida nova. Temos de despertar a nossa fé.

A crise que estamos a viver leva à morte de um certo cristianismo, mas também ao início de uma fé renovada, mais fiel a Jesus e mais evangélica. O Evangelho tem força para gerar em cada época a fé em Cristo de forma nova. Também nos nossos dias.

Mas temos de aprender a semeá-lo com fé, com realismo e com verdade. Evangelizar não é transmitir uma herança, mas tornar possível o nacimento de uma fé que brote, não como "clonagem" do passado, mas como resposta nova ao Evangelho escutado a partir das preguntas, dos sofrimentos, das alegrias e das esperanças do nosso tempo. Não é o momento de distrair-se as pessoas com qualquer coisa. É a hora de semear nos corações o essencial do Evangelho.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sair a semear - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV