A "ausência" das mulheres na política e a cidadania incompleta

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Fevereiro 2011

"Entendo que o governo Dilma Rousseff começa a criar as condições para movimentar tal situação, já que parece clara sua sensibilidade de que uma ausência permanente e continuada das mulheres dos espaços decisórios é um aspecto determinante da pior qualidade do nosso processo democrático", escreve Marlise Matos, chefe do Departamento de Ciência Política da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher da universidade, em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, 08-02-2011.

Eis o artigo.

O exercício dos mais diversos campos da política, numa situação de quase ausência das mulheres, constitui-se num desafio.

Algumas das concepções que nortearam as democracias ocidentais definiram espaços, construíram direitos assimetricamente para homens e mulheres.

Segundo a União Interparlamentar (IPU, 2009), a situação mundial da representação feminina é questão séria em todo o mundo: a média de mulheres nos Parlamentos é de apenas 18,6%, combinando-se as duas Câmaras.

O Brasil permanece praticando parcos 9% de mulheres na Câmara dos Deputados e, internacionalmente, se iguala aos países árabes.

No Poder Executivo, temos os mesmos pífios 9% de mulheres em prefeituras e 11% delas são governadoras de Estados.

Ao longo de 74 anos (1936-2010), a representação feminina passou de 1% para 9%: com todas as intensas transformações ocorridas no Brasil ao longo deste mesmo período é extremamente desproporcional a participação político-institucional das mulheres, contrastando com a sua significativa presença em outras áreas.

Nos países em desenvolvimento como o Brasil, a pesquisa sobre o impacto de mulheres em governos ainda é uma área de investigação completamente nova.

DILMA

Entendo que o governo Dilma Rousseff começa a criar as condições para movimentar tal situação, já que parece clara sua sensibilidade de que uma ausência permanente e continuada das mulheres dos espaços decisórios é um aspecto determinante da pior qualidade do nosso processo democrático.

Nossa cidadania política está inconclusa, pois praticamos um jogo político-representativo quase na ausência das mulheres de seu cenário, sendo este um elemento comprometedor de nossa consolidação democrática, ademais de uma barreira invisível ao nosso desenvolvimento.

Tal espaço necessita das contribuições fundamentais das mulheres organizadas, e não apenas das ações de nossa presidente, ainda que estas sejam, claro, muito bem-vindas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A "ausência" das mulheres na política e a cidadania incompleta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV