"Quem controla o cacau controla a política e a guerra na Costa do Marfim’

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A sombra tenebrosa do bolsonarismo. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Uma contribuição para uma teologia do sacerdócio a partir da tradição afonsina

    LER MAIS
  • A metáfora empregada pelo professor Anselm Jappe, no Ciclo de Estudos Decálogo do Fim do Mundo, evidencia a sanha destruidora de uma sociedade capitalista que pode sentenciar seu próprio fim

    “Estamos num barco sem combustível e arrancando madeiras do casco para alimentar as caldeiras”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2011

Jean Arsène Yao, marfinense de 41 anos, é doutor em História e professor da Universidade de Abidjã. Mora em Madri, mesmo que se desloque com frequência à cidade que está prestes a ceder às forças de Alassane Ouattara, o presidente eleito.

A entrevista é de Silvia Blanco e está publicada no El País, 02-04-2011. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

O estopim da violência é eleitoral. Laurent Gbagbo se nega a abandonar o poder mesmo que tivesse perdido as eleições de 2010. Em que momento se pode situar a origem do conflito?

Tudo começa em 1993, ao morrer o primeiro presidente, Félix Houphouët-Boigny. Seu primeiro ministro, Alassane Ouattara, e o presidente do Parlamento, Henri Konan Bédié (o sucessor segundo a Constituição), disputam a presidência. Vence Bédié e um ano depois, inspirado por um grupo de intelectuais marfinenses, cria o conceito de ivoirité (marfinidade), que foi se desvirtuando para se converter em arma contra parte da população, principalmente a do norte (malinké e senufo), zona de origem de Ouattara. Nesta região, Ouattara obteve 70% e 90% dos votos.

Ouattara foi vetado para se candidatar por duas ocasiões porque seu pai era de Burkina Fasso. Há um transfundo de xenofobia?

Antes de 1960, quando a Costa do Marfim era uma colônia, os franceses trouxeram muita mão de obra para as plantações de cacau. Um terço da população é estrangeira. Procedem do Níger, Mali, Senegal e Guiné, mas sobretudo de Burkina Fasso. Os imigrantes chegaram de países muito mais pobres e de maioria muçulmana atraídos pelo "milagre marfinense" dos anos 1970, e se identificaram mais com os povos do norte. Ouattara, em sua luta por chegar a ser presidente, se converteu em um símbolo para eles. O problema com Ouattara era a origem de seu pai, que, mesmo que vivesse na Costa do Marfim, foi enterrado em Burkina.

A Costa do Marfim é o principal produtor de cacau do mundo. Como condiciona o conflito?

O cacau representa 40% das exportações do país. Serviu para financiar grandes projetos e também a guerra. Quem controla o cacau controla a guerra, a política e a economia, o que explica o interesse das forças de Ouattara em tomar o porto de São Pedro, por onde se escoa o cacau. O comércio e o transporte são controlados pelos malinké, etnia de Ouattara. Economicamente fortes, só lhes faltava o poder político. A Costa do Marfim é um importante mercado que sempre foi controlado pela França. Com a chegada de Gbagbo as coisas começaram a mudar. China, Rússia, África do Sul e Brasil ganharam mercado e tiraram poder da França, que vê em Ouattara um defensor dos seus interesses.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Quem controla o cacau controla a política e a guerra na Costa do Marfim’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV