O Papa pede a responsabilidade de todos os batizados

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa, a sinodalidade e a eclesiogênese. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Achille Mbembe e o escancaramento dos mundos de morte

    LER MAIS
  • Mike Davis, Los Angeles e os pecados do capitalismo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 19 Abril 2013

A Igreja não pode ser uma “baby-sitter” dos cristãos, deve ser “mãe” e, por isso, os leigos devem redescobrir sua responsabilidade de batizados. Assim se manifestou Francisco, nesta quarta-feira, durante a missa que presidiu em Santa Marta, dirigida a um grupo de funcionários do Instituto de Obras da Religião, o Banco Vaticano.

A reportagem é de Jesús Bastante e publicada no sítio Religión Digital, 17-04-2013. A tradução é do Cepat.

Segundo aponta a Rádio Vaticana, o Papa destacou que “os primeiros cristãos tinham somente a força do batismo” que “lhes dava essa coragem apostólica, a força do Espírito” inclusive nas perseguições. Os primeiros cristãos “deixaram suas casas, levaram consigo poucas coisas; não tinham segurança, mas foram de lugar em lugar anunciando a Palavra. São simples fiéis, apenas batizados há um ano ou pouco mais, talvez. Mas tinham essa coragem de ir anunciar”.

“Eu penso em nós, batizados; se nós temos esta força, e penso: mas nós cremos em que o batismo basta, que é suficiente para evangelizar?”. Muitas vezes “a graça do batismo está um pouco reclusa e nós estamos reclusos em nossos pensamentos, em nossas coisas. Ou, às vezes, pensamos: ‘Não, somos cristãos, recebi o batismo, fiz a crisma, a primeira comunhão, tenho a carteira de identidade. E então você dorme tranquilo: é cristão’”.

“Mas onde está – se perguntou o Papa – esta força do Espírito que lhe leva em frente?” Ao contrário, se anunciamos, “a Igreja se converte em uma Igreja mãe que gera filhos, para que nós, filhos da Igreja, levemos isso. Mas quando não o fazemos, a Igreja se converte não em mãe, mas na Igreja baby-sitter, que cuida da criança para fazê-la dormir. É uma Igreja adormecida. Pensemos no nosso batismo, na responsabilidade do nosso batismo”.

Francisco recordou também as perseguições no Japão no século XVII, quando os missionários católicos foram expulsos e as comunidades cristãs ficaram 200 anos sem sacerdotes. No seu retorno, os missionários encontraram “todas as comunidades em seu lugar, todos batizados, todos catequizados, todos casados na Igreja”, graças ao trabalho dos batizados.

“Há uma grande responsabilidade para nós, os batizados: anunciar Cristo, levar adiante a Igreja, esta maternidade fecunda da Igreja. Ser cristão não é fazer um curso para ser advogado ou médico cristão, não. Ser cristão é um presente que nos faz avançar com a força do Espírito no anúncio de Jesus Cristo”, disse.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa pede a responsabilidade de todos os batizados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV