Manifesto de economistas defende alternativa à austeridade fiscal

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A curta vida do Homo sapiens

    LER MAIS
  • A paciência do papa idoso é posta à prova

    LER MAIS
  • Itália. “A esquerda perdeu o povo porque não defendeu o direito à felicidade”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Novembro 2014

Com o objetivo de estender para além do fim das eleições o debate sobre qual será a direção das políticas públicas a serem adotadas pelo governo nos próximos quatro anos, um grupo de economistas divulgou na quarta-feira o documento "Manifesto dos Economistas pelo Desenvolvimento e pela Inclusão Social", encabeçado por Maria da Conceição Tavares e Luiz Gonzaga Belluzzo.

A reportagem é de Ligia Guimarães, publicada pelo jornal Valor, 07-11-2014.

No texto, os economistas apontam que o caminho correto para a economia não é focar na tríade juros altos, com câmbio valorizado e corte excessivo de gastos públicos, política que poderia aprofundar a recessão em que o país se encontra atualmente, e ainda resultar em perda de avanços sociais.

Ontem, por volta das 19h, a petição, publicada no site Avaaz de petições da comunidade, contabilizava 422 assinaturas, que incluíam economistas representativos no debate econômico brasileiro e de diversas instituições, entre elas Unicamp, UFRJ, USP, UERJ e UFF.

No manifesto, o grupo defende a ideia de que há outras alternativas, além do caminho da austeridade fiscal e monetária, para que a economia brasileira volte a crescer. "Sem o contraponto propiciado pela campanha e pelo horário eleitoral gratuito, os meios de comunicação propagaram quase exclusivamente a opinião que a austeridade fiscal e monetária é a única via para resolver nossos problemas", afirma o texto.

Luiz Carlos Delorme Prado, um dos economistas da UFRJ a assinar a petição, diz que o grupo pretende ampliar a discussão. "Nosso recado é: não volte atrás, não venha com uma política contrária àquela em que a sociedade vem mostrando que é favorável ao longo do tempo. Façamos as correções necessárias, mas sem abandonar as estratégias de longo prazo que são defendidas pela sociedade brasileira e por um segmento importante de economistas".

Segundo Prado, a intenção do grupo é, sem desrespeitar outras correntes econômicas, deixar claro que não existe uma teoria com T maiúsculo que seja a solução única para os problemas do país. Entre as alternativas propostas para o desenvolvimento econômico que continue a reduzir desigualdade social, Prado cita "uma reforma tributária que passa por aumentar impostos diretos, como Imposto de Renda, e reduzir tributos indiretos", por exemplo.

Carlos Pinkusfeld Bastos, também da UFRJ e outro assinante da petição, diz que a internet e as redes sociais ampliaram e tornaram mais rica a participação da sociedade no debate eleitoral, o que deve continuar após as eleições.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Manifesto de economistas defende alternativa à austeridade fiscal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV