Bispos dos Estados Unidos, México e América Central combaterão as causas da migração infantil

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • É proibido esquecer Auschwitz e o maior roubo da história

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 15 Julho 2014

A poucos dias da visita ao México do secretário de Estado vaticano, o cardeal Pietro Parolin, as Conferências episcopais do México, Estados Unidos, Guatemala, El Salvador e Honduras divulgaram uma declaração conjunta na qual se comprometem em erradicar as bem conhecidas causas estruturais (pobreza extrema, falta de segurança, baixo nível escolar, desintegração familiar...) que provocam a dramática migração ilegal de menores de idade para os Estados Unidos, e convocaram os diferentes setores da sociedade a se somar neste esforço. “Um aspecto importante da declaração é o compromisso conjunto de erradicar as causas estruturais que provocam a migração irregular de menores de idade, criando programas de desenvolvimento social e econômico nas comunidades de origem, assim como programas de reinserção e reintegração para os que retornam”, aponta o documento.

 
Fonte: http://goo.gl/KTtJH4  

A reportagem é publicada por Vatican Insider, 11-07-2014. A tradução é do Cepat.

“Estas crianças – explicam os bispos – saíram de seus países arrastados pela miséria, a violência ou o desejo de se reunir com seus pais ou alguns de seus familiares que já migraram, e agora, após enfrentar toda espécie de privações e perigos, vivem uma terrível crise humanitária. Esta dramática situação atinge a todos nós e nos compromete a globalizar a solidariedade, reconhecendo, respeitando, promovendo e defendendo a vida, dignidade e direitos de toda pessoa, independentemente de sua condição migratória”.

 A declaração publicada ontem, 10 de julho, em Cidade do México, defende e relança a “Declaração Extraordinária de Manágua”, na qual os Países Membros da Conferência Regional sobre Migração, “reconheceram a corresponsabilidade regional e se comprometeram em implementar medidas integrais e articuladas para garantir o interesse superior da criança e do adolescente, assim como a unidade familiar; a difundir informação precisa a respeito dos ‘perigos da viagem’ e a inexistência de ‘permissões’ para os que chegam aos Estados Unidos; lutar contra os grupos criminosos organizados de tráfico ilícito e de tráfico de pessoas; e melhorar as práticas migratórias”. Com este documento, os bispos dos Estados Unidos, México, El Salvador, Guatemala e Honduras também se expressam a favor da petição à Câmara de Representantes dos Estados Unidos para que se declare estado de “crise humanitária” o problema das crianças migrantes.

“A Igreja católica, que há muitos anos vem agindo frente às autoridades governamentais dos Estados Unidos, México e América Central em favor dos migrantes, continuará este trabalho”, aponta o documento, publicado a poucos dias da visita do secretário de Estado da Santa Sé, o cardeal Pietro Parolin, a Cidade do México para participar de um fórum sobre migração, que acontecerá na próxima segunda-feira, 14 de julho, e do qual participarão vários bispos e servidores mexicanos na sede da Chancelaria.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos dos Estados Unidos, México e América Central combaterão as causas da migração infantil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV