China e Índia revelam planos ambiciosos para energia solar

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A sombra tenebrosa do bolsonarismo. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Uma contribuição para uma teologia do sacerdócio a partir da tradição afonsina

    LER MAIS
  • A metáfora empregada pelo professor Anselm Jappe, no Ciclo de Estudos Decálogo do Fim do Mundo, evidencia a sanha destruidora de uma sociedade capitalista que pode sentenciar seu próprio fim

    “Estamos num barco sem combustível e arrancando madeiras do casco para alimentar as caldeiras”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Mai 2014

Chineses desejam triplicar sua capacidade instalada até 2017; governo indiano pretende usar solar para resolver o problema do país de ter 400 milhões de pessoas ainda sem acesso à eletricidade.

A reportagem é de Fabiano Ávila, publicada pelo sítio CarbonoBrasil, 20-05-2014.

Já há algum tempo a Ásia tem aparecido como o grande destaque mundial quando o assunto é a expansão das energias renováveis, e novos anúncios nos últimos dias reforçam ainda mais essa posição de liderança.

O governo chinês divulgou que pretende triplicar sua capacidade solar instalada para alcançar 70 GW até 2017. Para se ter uma noção da quantidade de energia que isso significa, o recorde de consumo no Brasil, batido em janeiro deste ano, foi de pouco mais de 80 GW.

“A nova meta deverá ser facilmente alcançada se a China continuar com o atual ritmo de construção de instalações solares”, afirmou Wang Xiaoting, analista da Bloomberg New Energy Finance.

A China está expandindo o uso da energia solar em uma taxa sem precedentes. Em 2010, o país possuía apenas 5 GW, e, no ano passado, a marca já estava acima dos 20 GW.

No entanto, a geração limpa de energia ainda representa uma pequena parcela da matriz chinesa. Em 2013, a fatia das fontes alternativas era de apenas 9%. A estimativa é que essa porcentagem suba para 11,4% em 2015 e 15% até 2020.

Índia

A recente eleição de Narendra Modi para o cargo de primeiro-ministro foi saudada por muitos grupos ambientalistas como o possível começo de uma nova era para uma Índia de baixo carbono. Isso porque, quando Modi governou o estado de Gujarat, colocou em prática algumas das leis e programas mais inovadores em termos de energias limpas da história da Índia.

Em uma demonstração de que o novo primeiro-ministro deve mesmo distanciar seu país da dependência do carvão, oficiais do governo afirmaram que Modi expandirá a capacidade solar indiana de forma que pelo menos uma lâmpada em cada residência seja alimentada por esse tipo de energia até 2019.

O objetivo central de Modi seria levar eletricidade para os 400 milhões de indianos que ainda não têm acesso à rede elétrica.

Segundo Narendra Taneja, um dos responsáveis pelas políticas de energia do Partido do Povo Indiano, do qual o novo primeiro-ministro é filiado, as fontes limpas serão a prioridade do governo.

“A solar, em particular, tem o potencial de criar empregos e suprir a demanda por eletricidade em residências que estão distantes da rede de distribuição”, afirmou Taneja à Bloomberg.

A capacidade solar instalada atualmente na Índia é de 2,6 GW. O governo anterior fixou como objetivo elevar essa marca para 20 GW até 2022, mas esse número deve aumentar com Modi no poder.

Enquanto isso, no Brasil, a capacidade solar instalada conectada à rede é de pouco mais de 13 MW, ou 0,013 GW, segundo o Banco de Informações de Geração (BIG) da ANEEL.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China e Índia revelam planos ambiciosos para energia solar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV