Evento Netmundial desaponta os defensores da neutralidade da rede

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Sturm und drang: quando um vigário geral abandona a Igreja

    LER MAIS
  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Abril 2014

O evento NET Mundial, que aconteceu entre os dias 23 e 25 de abril, em São Paulo, terminou com um discurso da presidente Dilma Rousseff, amplamente saudada pelos representantes de quase 90 países e um pequeno número de ativistas usando máscaras do ex-técnico da Agência Nacional de Segurança dos EUA Edward Snowden. Mas o encerramento trouxe um tom muito mais ambivalente e um saldo decepcionante.

A reportagem é de Nicolas Bourcier, publicada no jornal Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 29-04-2014.

É verdade que na resolução final os participantes dessa cúpula internacional sobre a governança da internet condenaram a espionagem e exigiram que o monitoramento de dados pessoais seja punido por lei. "A coleta e a utilização de dados pessoais por atores estatais e não estatais deve se sujeitar às leis internacionais dos direitos humanos", determina o texto, publicado na quinta-feira (24).

No entanto, o documento deixa de integrar em seus princípios a neutralidade da internet, apesar da insistência de representantes brasileiros. A ideia, defendida por Dilma no púlpito da ONU em setembro de 2013 e aprovada no Marco Civil, uma espécie de Constituição da Internet que foi ratificada recentemente pelo Legislativo brasileiro, consiste em que todos os provedores de conteúdo sejam tratados de forma igual na internet.

Essa regra impede que os provedores de acesso à rede tornem mais lento ou favoreçam o acesso a determinados sites. Ela consagra uma conexão sem discriminações a uma rede "aberta e completa", como ressalta Neelie Kroes, a vice-presidente da Comissão Europeia. No dia 3 de abril, o Parlamento de Estrasburgo reconheceu a necessidade de se garantir essa neutralidade da rede.

Em compensação, a abordagem foi muito criticada pelos grandes provedores norte-americanos de acesso à internet e seus intermediários em Washington. A agência reguladora das comunicações americana (FCC) tem até mesmo um projeto de regulação que ataca o princípio de tratamento igualitário dos provedores de conteúdo. Segundo uma fonte próxima das negociações em São Paulo, a parte brasileira teria estado muito próxima de interromper as negociações diante da inflexibilidade dos diferentes representantes dos Estados Unidos.

No final, a resolução indica em sua última página que "a neutralidade da rede" foi adiada para uma discussão posterior, supostamente no próximo Fórum Mundial sobre a Governança da Internet (IFG), que acontece em Istambul, Turquia, em setembro.

Preparo do caminho

Foram necessários dois dias de "intensas" negociações, segundo Virgílio Fernandes Almeida, presidente da cúpula, para chegar até esse documento de onze páginas que supostamente preparará o caminho de uma governança mundial da internet, mas também um plano de ação para o futuro desenvolvimento da Web. A governança da internet deve ter como objetivo "uma rede única, inter-operável, flexível, estável, descentralizada, segura, interconectada e acessível a todos", afirmam os participantes da cúpula.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Evento Netmundial desaponta os defensores da neutralidade da rede - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV