Copa do Mundo de 2022, no Catar, já matou 382 trabalhadores

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Janeiro 2014

Em 2013, foram 185 mortes de operários dos estádios e de obras de infraestrutura; muitos trabalham em condição análoga à escravidão.

A reportagem é de Guilherme Dearo, publicada pela revista Exame, 24-01-2014.

Novos documentos revelaram um dado chocante da Copa do Mundo de 2022, planejada para acontecer no Catar: só em 2013, 185 operários morreram, todos imigrantes do Nepal.

Segundo o jornal britânico The Guardian, nos últimos dois anos foram 382 mortes confirmadas, mas novos casos devem vir à tona. Também há trabalhadores da Índia, Paquistão e Sri Lanka.

Os operários são expostos a longas jornadas de trabalho e lidam com um ambiente de trabalho pouco seguro e carente de infraestrutura adequada.

Há relatos de condições análogas à escravidão nas obras da Copa. Passaportes são confiscados e os salários são retidos pelos chefes durante meses. Tudo isso com um calor de 50 graus Celsius sobre a cabeça.

Muitos se machucam seriamente ou morrem após caírem de grandes alturas. Outros se suicidaram.

Os nepaleses são a sexta força de trabalho imigrante no Catar, que tem cerca de dois milhões de pessoas nessas condições.

Entidades do Nepal agora estão lutando para trazer adequadamente os corpos dos trabalhadores de volta para o país, para serem entregues à família.

Pressionada, a Fifa garantiu que não vai tapar os olhos na questão dos trabalhadores e vai pressionar o ministro do trabalho do Catar para resolver a questão.

Em 2011, a entidade tinha garantido que iria trabalhar junto da International Trade Union Confederation para zelar pela segurança dos operários envolvidos com os jogos.

O governo do Catar garante que está pressionando as empreiteiras a respeitarem as leis trabalhistas. Segundo o Ministério do Trabalho local, "pelo menos 99%" das empresas estão cumprindo a lei.

Previsão macabra

Segundo um relatório da International Trade Union Confederation, até o fim das obras 4 mil trabalhadores imigrantes podem morrer no país, quase 12 por semana.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Copa do Mundo de 2022, no Catar, já matou 382 trabalhadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU