Exploradores movimentaram R$ 30 milhões com mineração irregular no Amazonas

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Garimpo está destruindo vidas e terras indígenas com apoio do governo. Entrevista com Luísa Molina

    LER MAIS
  • Charles de Foucauld me ajudou a encontrar um caminho de vida cristã mais simples, menos pelagiana, mais próxima do Senhor, testemunha o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Vaticano ordena reforma de comunidade religiosa após escândalos de abusos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Outubro 2015

Na operação ‘Filão do Abacaxis’, um catarinense foi preso como um dos responsáveis pelo garimpo. Segundo o Ibama, ao menos 70 hectares de mata fechada foram derrubadas pelos exploradores.

A reportagem é de Kelly Melo, publicada por A Crítica e republicada por Amazonia, 30-09-2015.

{youtube}bvcZeMHAdmk{/youtube}

Um esquema milionário de mineração irregular foi desarticulado no município de Maués, nesta sexta-feira (18), pela Polícia Federal, Exército Brasileiro e Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), durante a realização da operação Filão do Abacaxis.

Na operação, um catarinense foi preso como um dos responsáveis pelo garimpo. Outros dois, que são amazonenses, estão foragidos.

De acordo com a delegada substituta da Delegacia ambiental da PF, Anelise Koerch, o grupo também usava uma mineradora para lavagem de dinheiro. A estimativa é que os exploradores tenham movimentado aproximadamente R$ 30 milhões com a extração ilegal de ouro.

Crimes ambientais

Outra preocupação da operação está relacionada aos danos ambientais encontrados no meio da floresta amazônica. Segundo a fiscal do Ibama, Tatiane Leite, ao menos 70 hectares de mata fechada, equivalente a 70 campos de futebol, foi derrubada pela organização criminosa.

Sinais de contaminação do solo por mercúrio e cianeto também foram identificados, mas ainda não é possível mensurar nível de poluição.

Trabalho escravo

Cinquenta trabalhadores foram evacuados do garimpo. A maioria eram trabalhadores recrutados da capital e do Município de Nova Olinda do Norte, sendo que metade deles foram identificados em situações análogas as de escravos. “Muitos desses trabalhadores estavam há seis meses sem receber salários e alojados em situações precárias”, destacou a delegado.

Ainda conforme os órgãos envolvidos na operação, o garimpo foi totalmente desmanchando e dificilmente poderá voltar a funcionar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Exploradores movimentaram R$ 30 milhões com mineração irregular no Amazonas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV