Bergoglio e Fidel, revolucionários produzidos pelos jesuítas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Setembro 2015

Fidel e Bergoglio têm muito em comum. Ambos são filhos de imigrantes, formaram-se em um colégio de jesuítas, são figuras principais de um processo revolucionário. E ambos têm uma grande influência em toda a América Latina.

A opinião é do historiador cubano Enrique López Oliva, secretário da seção cubana da Comissão para o Estudo da História da Igreja na América Latina (CEHILA), em artigo publicada no jornal Il Manifesto, 22-09-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O porta-voz do Vaticano descreveu como "encontro informal" a visita que o Papa Francisco fez no domingo ao líder da Revolução, Fidel Castro, na sua casa, com mulher, filhos e parentes. Mas, nesse caso, a informalidade não faz senão sublinhar o grande valor simbólico do encontro entre dois personagens que se conhecem e se apreciam. Um encontro, por isso, bem programado, porque faria muito mais barulho se não tivesse acontecido.

Eu acho que os dois personagens têm muito em comum. Ambos são filhos de imigrantes, formaram-se em um colégio de jesuítas, são figuras principais de um processo revolucionário.

Fidel, de uma revolução armada que em 1959 derrubou a ditadura de Batista e, depois, declarou Cuba como primeira terra libertada e socialista do continente americano.

Francisco, comprometido como é – e não é só uma análise minha – em uma espécie de revolução que ponha a Igreja Católica em sintonia com os desafios de uma nova época. Ambos têm uma grande influência em toda a América Latina.

Em suma, os dois se conhecem como semelhantes. E demonstram isso os presentes que eles trocaram. O papa deu a Fidel um livro de Armando Llorente, um jovem professor jesuíta no colégio de Belén, onde Fidel estudava, e de origens galegas como o futuro líder revolucionário. Eu também estudei nesse colégio, inscrito no primeiro ano, enquanto Fidel estava no último, e eu me lembro do religioso que mais tarde encontrei em Miami, para onde tinha se mudado no início dos anos 1960 em desacordo com a revolução do seu ex-aluno e para acompanhar o colégio Belén, transferido pelas autoridades religiosas para a Flórida.

Naquela época, em 1998, Llorente me falou do então presidente cubano em termos muito elogiativos, como de um excelente estudante, especialmente em matérias literárias, e como um grande atleta "que defendia com valor a bandeira do colégio".

Llorente me disse que muitas vezes participava com Fidel de excursões. Em uma dessas, caiu acidentalmente em um rio, e Fidel o ajudou a sair. Não duvido que, presenteando-lhe os escritos de Llorente, o Papa Francisco quis testemunhar que está em comunicação com Fidel e que pretende ajudá-lo a se reconciliar com o seu passado.

Por sua vez, o mais velho dos Castro presenteou ao papa o livro Fidel e a religião, escrito pelo teólogo da libertação brasileiro Frei Betto em 1985, depois de longas conversas com o então presidente cubano e que – como lembrou o autor – vendeu 1,3 milhão de cópias na ilha.

No livro, Fidel defende a necessidade de um diálogo entre cristãos e marxistas por uma sociedade mais justa. E, como Frei Betto também lembra, depois desse livro, Fidel voltou a dialogar com os bispos cubanos, e melhoraram as relações entre Estado e Igreja.

Provavelmente, foi também graças às teses do livro que foi possível o convite e, depois, a visita papal de João Paulo II em 1998.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio e Fidel, revolucionários produzidos pelos jesuítas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV