Ide à Galileia. Ali o vereis

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Abril 2015

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo João 20,1-9 que corresponde a Pascoa da Ressurreição, Ciclo B, do Ano Litúrgico.

O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o Evangelho de Marcos 16, 1-7 que corresponde à Vigília Pascal.

Eis o texto

 

 Fonte: http://www.periodistadigital.com/religion/

O relato evangélico que se lê na noite pascoal é de uma importância excepcional. Não só se anuncia a grande notícia de que o crucificado foi ressuscitado por Deus. Indica-nos, também, o caminho que temos de percorrer para vê-Lo e encontrarmo-nos com Ele.

Marcos fala de três mulheres admiráveis que não se podem esquecer de Jesus. São Maria Madalena, Maria de Santiago e Salomé. Em seus corações despertou-se um projeto absurdo que só pode nascer do seu amor apaixonado: “comprar aromas para ir ao sepulcro para embalsamar o Seu cadáver”.

O surpreendente é que, ao chegar ao sepulcro, observam que está aberto. Quando se aproximam mais, vem um “jovem vestido de branco” que as tranquiliza do seu sobressalto e lhes anuncia algo que jamais teriam suspeitado.

“Procurais a Jesus de Nazaré, o crucificado?”. É um erro procurá-lo no mundo dos mortos. “Não está aqui”. Jesus não é um defunto mais. Não é o momento de chorá-lo e render-lhe homenagens. “Ressuscitou”. Está vivo para sempre. Nunca poderá ser encontrado no mundo dos mortos, do extinto, do acabado.

Mas, se não está no sepulcro, onde se pode ver? Onde podemos nos encontrar com Ele? O jovem recorda às mulheres algo que já lhes havia dito Jesus: “Ele vai à vossa frente na Galileia. Ali O vereis”. Para “ver” o ressuscitado tem que voltar à Galileia. Por quê? Para quê?

Ao ressuscitado não se pode “ver” sem fazer o seu próprio percurso. Para experimentá-lo cheio de vida no meio de nós, tem de se voltar ao ponto de partida e fazer a experiência do que foi essa vida que levou Jesus à crucifixão e ressurreição. Se não é assim, a “Ressurreição” será para nós uma doutrina sublime, um dogma sagrado, mas não experimentaremos Jesus vivo em nós.

Galileia foi o cenário principal da Sua atuação. Ali O viram os seus discípulos curar, perdoar, libertar, acolher, despertar em todos uma esperança nova. Agora os Seus seguidores, temos de fazer o mesmo. Não estamos sós. O ressuscitado vai diante de nós. Iremos vê-Lo se caminhamos atrás dos Seus passos. O mais decisivo para experimentar o “ressuscitado” não é o estudo da teologia nem a celebração litúrgica, mas o seguimento fiel a Jesus.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ide à Galileia. Ali o vereis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU