"Mais de 2.500 padres e seminaristas católicos foram deportados para Dachau". Entrevista com Guillaume Zeller

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudanças climáticas: uma oportunidade para a teologia se libertar do passado. Artigo de Bruno Latour

    LER MAIS
  • O extermínio na hora do almoço. Artigo de Corrado Augias

    LER MAIS
  • Pedofilia, relatório sobre a diocese de Ratzinger: 497 vítimas. O Papa Emérito é acusado de negligência em 4 casos. Santa Sé: “Vergonha”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 30 Janeiro 2015

Guillaume Zeller é jornalista e redator-chefe de DirectMatin.fr. Ele também foi responsável de pesquisa no Serviço Histórico do Exército. Seu novo livro La Baraque des prêtres, Dachau, 1938-1945, acaba de ser publicado pela Éditions Tallandier.

 
Fonte: http://bit.ly/1wzjrwn  

A entrevista é de Guillaume Perrault e publicada no jornal francês Le Figaro, 27-01-2015. A tradução é de André Langer.

Eis a entrevista.

Como explicar o número de padres, seminaristas e monges deportados para Dachau?

De 1938 a 1945, 2.579 padres, seminaristas e monges católicos foram deportados pelos nazistas, bem como cerca de 141 pastores protestantes e sacerdotes ortodoxos. Tratando-se de católicos, o Vaticano é impotente para impedir a sua deportação. A Santa Sé consegue apenas que sejam agrupados em Dachau. Esses homens de Igreja vêm de toda a Europa: Alemanha, Áustria, Tchecoslováquia, Polônia, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França ou ainda da Itália.

Eles não estão presos como padres católicos stricto sensu, mas por diferentes razões. Os alemães pagam muitas vezes o preço por sua oposição ao programa de eutanásia hitlerista, o Plano T4. Os padres poloneses são considerados como elites eslavas pelos nazistas e figuram entre os seus alvos, como testemunham os relatórios enviados por Heydrich sobre as prisões efetuadas pelos Einsatzgruppen na Polônia, em 1940. Os padres franceses, por sua vez – eles são 156 em Dachau –, são deportados por causa da sua participação ativa na resistência interna.

Como se organiza a resistência moral e espiritual dos padres e seminaristas deportado para esse campo?

Os religiosos de Dachau conhecem os mesmos sofrimentos que os seus camaradas leigos. Dos 2.720 religiosos, 1.034 – dos quais 868 são poloneses – morrem no campo até a sua libertação. Mas eles conseguem, no seu conjunto, conservar uma surpreendente dignidade, enquanto tudo é feito pela SS, apoiada pelos kapos, para desumanizar e degradar prisioneiros. Primo Levi, ainda ateu, observou em É isto um homem? a notável obrigação intelectual e moral de rabinos deportados para Auschwitz. Se as circunstâncias são diferentes, a situação é comparável com os padres de Dachau. Esses clérigos se esforçam para manter as virtudes da fé, esperança e caridade. A oração, os sacramentos, a ajuda concedida aos doentes e moribundos, a organização de formações teológicas ou pastorais clandestinas e a reconstrução da hierarquia eclesial são uma estrutura que lhes permite manter a sua humanidade. O precedente das perseguições da Igreja nos primeiros séculos do cristianismo também está presente em suas mentes e corações.

Seu livro está cheio de histórias individuais chocantes...

A perversidade da obra concentracionista reside principalmente no fato de que os SS jogavam os prisioneiros uns contra os outros. O pior inimigo do deportado acaba sendo, muitas vezes, o próprio deportado. No entanto, a grande maioria dos padres de Dachau não cede a este mecanismo. Em vez disso, os episódios heróicos são abundantes. Durante o inverno de 1944-1945, os deportados são dizimados por uma epidemia de tifo. Enquanto a SS e os kapos fogem dos pavilhões contaminados, dezenas de padres expõem-se consciente e voluntariamente à doença para cuidar e consolar os moribundos. Alguns acabam morrendo.

Um outro episódio: a ordenação clandestina de um seminarista alemão às portas da morte, Karl Leisner, por um bispo francês, dom Gabriel Piguet, bispo de Clermont-Ferrand, deportado para Dachau por seu apoio ao alojamento de judeus, e que hoje faz parte dos Justos do Yad Vashem. A ordenação clandestina desse jovem seminarista alemão condenado à morte, única na história da Igreja, foi celebrada em uma autêntica capela, alojada em um dos pavilhões reservados aos religiosos. Por decisão de João Paulo II, de Bento XVI e de Francisco, 56 clérigos mortos em Dachau foram beatificados após o processo que confirmou a prática das virtudes naturais e cristãs, de maneira exemplar ou heróica. E o campo de Dachau continua a ser o maior cemitério de padres católicos do mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Mais de 2.500 padres e seminaristas católicos foram deportados para Dachau". Entrevista com Guillaume Zeller - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV