Colômbia agradece o “papel significativo” do Papa no processo de paz com as FARC

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 30 Setembro 2015

O chefe da equipe negociadora do governo no processo de paz com a guerrilha das FARC afirmou, na segunda-feira, que o papa Francisco (foto) foi chave nos avanços alcançados até agora na mesa de negociação de Havana.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 29-09-2015. A tradução é do Cepat.

 
Fonte: http://goo.gl/tPHRex  

“O Papa teve um papel muito significativo e igualmente significativo será o papel que precisa desempenhar no futuro”, ressaltou Humberto De la Calle, em uma coletiva de imprensa na Casa de Nariño ou sede do governo.

Segundo De la Calle, Francisco conversou em algumas oportunidades com o presidente colombiano Juan Manuel Santos, que manteve a autoridade católica informada sobre os avanços das negociações.

Ao detalhar alguns aspectos do acordo, Sergio Jaramillo, Alto Comissariado para a Paz, defendeu que no modelo de justiça acordado na quarta-feira, em Cuba, e cujas sentenças ainda precisam ser concretizadas, prevalecerão as “sanções restaurativas”, nas quais os guerrilheiros ou os soldados condenados precisarão fazer trabalhos com a comunidade relacionados, por exemplo, com atividades para substituir a folha de coca ou a remoção de minas antipessoais.

“Porque o importante é reconstruir o país”, acrescentou o negociador do governo. Sobre as críticas ao acordo de justiça apresentadas pela organização Human Rights Watch, que menciona que este acordo confere impunidade aos responsáveis por crimes graves, Jaramillo disse que os opositores do processo continuam utilizando especulações para criticar um acordo que está baseado no respeito aos direitos humanos e em normas internacionais.

“Estão inventando espantalhos para com os quais brigar, com base em especulações, e dizem, por exemplo, que a concentração pode ser em todo o país e criticam a restrição efetiva e que a concentração pode ser em vários municípios, quando em nenhuma parte está escrito isso”, disse Jaramillo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia agradece o “papel significativo” do Papa no processo de paz com as FARC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU