Greta Thunberg: política ambiental brasileira é "vergonhosa"

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Populismos, autoritarismos e resistências emergentes

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Setembro 2021

 

Em sessão temática do Senado, jovem ativista sueca critica com dureza as decisões do governo do Brasil em relação à natureza e os povos indígenas: perder a Amazônia seria uma "sentença de morte" para muitas regiões. 

 

Foto: Reprodução Twitter.

 

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 11-09-2019.

Durante uma sessão temática do Senado brasileiro sobre os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), da Organização das Nações Unidas, nesta sexta-feira (10/09), a ativista ambiental sueca Greta Thunberg criticou duramente a atuação de líderes brasileiros no campo ambiental e no trato com os povos nativos.

"As coisas que os líderes do Brasil estão fazendo agora são completamente vergonhosas, especialmente à luz de como vêm tratando os povos indígenas e a natureza."

Apesar de destacar que a grande culpa pelo atual cenário de urgência climática não caber historicamente ao país, em seu depoimento em vídeo a ambientalista sueca de 18 anos atribuiu o aumento do desmatamento na região amazônica à política ambiental brasileira.

"O Brasil não começou esta crise, mas acrescentou muito combustível ao incêndio. O Brasil não tem desculpas para não assumir a sua responsabilidade. A Amazônia, o pulmão do mundo, agora está no limite e emitindo mais carbono do que consume por causa do desflorestamento e das queimadas."

"Isso está acontecendo diante dos nossos olhos, diretamente alimentado pelo governo", repreendeu Thunberg, acrescentando: "O mundo não pode arcar com o custo de perder a Amazônia. Se a perdermos, perdemos provavelmente todas as chances de alcançar as metas do Acordo de Paris." Isso significaria uma "sentença de morte" em numerosas partes do planeta, entre as quais também o Brasil.

 

Desmatamento recua, mas segue alarmante

 

O desmatamento da Amazônia brasileira diminuiu pelo segundo mês consecutivo, mas continua em níveis elevados, segundo alertas registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), vinculado ao governo do nacional.

O Inpe registrou um total de 918 quilômetros quadrados desmatados em agosto, o menor nível desde agosto de 2018 e 32% inferior em relação ao mesmo período de 2020.

Os alertas de desflorestamento entre janeiro e agosto registraram 6.026 quilômetros quadrados, o que representa uma ligeira redução de 1,2% em relação aos primeiros oito meses de 2020 (6.099 quilômetros quadrados).

Os dados são obtidos através de imagens de satélite. O órgão governamental alerta que eles não constituem o balanço oficial de desflorestamento, que é divulgado no fim do ano, apenas identificando possíveis pontos de risco.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Greta Thunberg: política ambiental brasileira é "vergonhosa" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV