Quem era o verdadeiro São Luís Gonzaga? Artigo de James Martin

São Luís Gonzaga, pintura de Francisco de Goya (Foto: Wikimedia Commons)

23 Junho 2022

 

Luís Gonzaga precisa ser resgatado das mãos dos exageros piedosos dos artistas. Em incontáveis reproduções de santinhos de bolso, o jovem jesuíta está geralmente retratado vestido com uma batina preta e sobrepeliz branca de neve, olhando beatificamente para um crucifixo elegante que ele tem em suas mãos finas e delicadamente cuidadas. Para completar, às vezes ele é retratado segurando gentilmente um lírio, símbolo de sua castidade religiosa. Não há nada de errado com nenhuma dessas imagens em si, exceto quando elas obscurecem o que não era uma vida delicada e impedem os jovens cristãos (e os mais velhos, aliás) de se identificarem com alguém que era, de fato, um pouco rebelde”, escreve o jesuíta estadunidense James Martin, em artigo publicado por America, 21-06-2015. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Em 21 de junho celebra-se a festa de um dos menos compreendidos santos da Igreja Católica: São Luís Gonzaga. Uma pequena história, então, que talvez nos ajude a começar a entender esse jovem complexo e santo, hoje um dos padroeiros da juventude. Primeiro, em certo sentido, recuperemos o verdadeiro Luís e o verdadeiro Luigi.

 

Luís Gonzaga precisa ser resgatado das mãos dos exageros piedosos dos artistas. Em incontáveis reproduções de santinhos de bolso, o jovem jesuíta está geralmente retratado vestido com uma batina preta e sobrepeliz branca de neve, olhando beatificamente para um crucifixo elegante que ele tem em suas mãos finas e delicadamente cuidadas. Para completar, às vezes ele é retratado segurando gentilmente um lírio, símbolo de sua castidade religiosa.

 

Não há nada de errado com nenhuma dessas imagens em si, exceto quando elas obscurecem o que não era uma vida delicada e impedem os jovens cristãos (e os mais velhos, aliás) de se identificarem com alguém que era, de fato, um pouco rebelde.

 

Em 9 de março de 1568, no castelo de Castiglione delle Stivieri, na Lombardia, nascia Luigi Gonzaga, em um ramo de uma das famílias mais poderosas da Itália renascentista. Seu pai, Ferrante, era o marquês de Castiglione. A mãe de Luigi era dama de companhia da esposa de Filipe II da Espanha, em cuja corte o marquês também gozava de uma alta posição.

 

Como filho mais velho, Luigi era o repositório das esperanças de seu pai para o futuro da família. Aos quatro anos, Luigi recebeu um conjunto de armas em miniatura e acompanhou seu pai em expedições de treinamento para que o menino aprendesse a “arte das armas” – como o jesuíta Joseph Tylenda escreve em seu livro “Jesuit Saints and Martyrs” (“Santos jesuítas e mártires”, em tradução livre).

 

Ele também aprendeu, para consternação de sua família nobre e sem perceber seu significado, algumas palavras hostis dos soldados. Tão ansioso estava Ferrante para preparar seu filho para o mundo de intrigas políticas e façanhas militares que vestiu o menino com uma armadura do tamanho de uma criança e o trouxe para revisar os soldados a seu serviço. Aos sete anos, no entanto, Luigi teve outras ideias. Ele decidiu que estava menos interessado no mundo de seu pai e mais atraído por um tipo de vida muito diferente.

 

No entanto, Ferrante, atento ao potencial de Luigi, manteve-se entusiasmado em passar para o filho o título de marquês. Em 1577, ele enviou Luigi e seu irmão Ridolfo para a corte de um amigo da família, o grão-duque Francesco de Medici da Toscana, onde os dois deveriam ganhar o polimento necessário para ter sucesso na corte. Mas, novamente, em vez de ficar fascinado com a intriga e (literal) traição no mundo decadente dos Médicis, Luigi se retraiu, recusando-se a participar do que via como um ambiente essencialmente corrupto. Aos dez anos, enojado com sua situação, ele fez um voto particular de nunca ofender a Deus pecando.

 

Foi nessa época que Luigi começou as práticas religiosas sérias e muitas vezes severas que parecem pudicas na melhor das hipóteses e bizarras na pior, especialmente para uma criança. É certamente a principal razão pela qual a vida de São Luís Gonzaga às vezes repele até mesmo os católicos devotos de hoje. Ele jejuava três dias por semana a pão e água. Ele se levantou à meia-noite para rezar no chão de pedra de seu quarto. Ele se recusava a deixar uma fogueira ser acesa em seu quarto, independentemente do clima mais frio. E ele estava notoriamente preocupado em manter sua castidade e salvaguardar sua modéstia. No livro “As Vidas dos Santos”, Alban Butler observa que desde os nove anos de idade, Luigi manteve a “custódia dos olhos”, como dizem os escritores espirituais. “Dizem-nos, por exemplo, que ele mantinha os olhos persistentemente baixos na presença de mulheres, e que nem mesmo seu criado podia ver seus pés descobertos”.

 

Essas práticas, tão admiradas por gerações anteriores, são o que afasta alguns crentes contemporâneos de Gonzaga e o que parece ser sua piedade quase desumana.

 

Mas ao considerar esses aspectos de sua vida, deve-se lembrar de três coisas. Em primeiro lugar, a piedade católica predominante na época, que elogiava calorosamente tais práticas, obviamente exerceu forte influência sobre Luigi. O jovem nobre era, como todos nós, uma pessoa do seu tempo. Segundo, Luigi adotou essas práticas ainda menino. Como algumas crianças ainda hoje, Luigi foi dado menos à moderação madura e mais ao entusiasmo adolescente. Terceiro, e talvez o mais importante, sem nenhum modelo religioso em sua vida, Luigi foi forçado, em certo sentido, a criar sua própria espiritualidade (não havia adultos para dizer: “Já chega, Luigi!”). Desesperado para escapar do mundo de corrupção e licenciosidade em que se encontrava, Luigi, teimoso e sem qualquer orientação adulta, exagerou em sua busca para ser santo.

 

No entanto, em anos posteriores, até ele reconheceu seus excessos. Quando ele entrou na Companhia de Jesus, ele admitiu sobre seu modo de vida. “Sou um pedaço de ferro retorcido”, disse ele. “Entrei na vida religiosa para ficar reto” (esse famoso ditado dele, de acordo com o pesquisador jesuíta John Padberg, também pode ter se referido ao caráter distorcido da família Gonzaga).

 

Em 1579, depois de dois anos em Florença, o marquês enviou seus dois filhos para Mântua, onde foram alojados com parentes. Mas, infelizmente para os planos de Ferrante, a casa de um anfitrião ostentava uma bela capela particular, onde Luigi passava muito tempo lendo a vida dos santos e meditando nos salmos. Foi aqui que veio o pensamento do filho do marquês de que ele gostaria de se tornar padre. Ao retornar a Castiglione, Luigi continuou suas leituras e meditações, e quando o cardeal Carlos Borromeu visitou a família, a seriedade e o aprendizado de Luigi de doze anos o impressionaram muito. Borromeu descobriu que Luigi ainda não havia feito sua primeira comunhão e assim o preparou para isso (desta forma, um futuro santo recebeu sua primeira comunhão de outro).

 

Em 1581, ainda com a intenção de passar a Luigi o seu título e bens, Ferrante decidiu que a família viajaria com Maria da Áustria, da casa real espanhola, que estava de passagem pela Itália no seu regresso a Espanha. Maria era viúva do imperador Maximiliano II, e Ferrante viu uma excelente oportunidade para a educação cortês do filho. Luigi tornou-se pajem do herdeiro espanhol, o duque das Astúrias, e também foi feito cavaleiro da Ordem de Santiago.

 

No entanto, essas honras apenas fortaleceram a decisão de Luigi de não levar uma vida assim. Enquanto estava em Madri, ele encontrou um confessor jesuíta e acabou decidindo se tornar um jesuíta. Seu confessor, no entanto, disse-lhe que antes de entrar no noviciado, Luigi precisava obter a permissão de seu pai.

 

Quando Luigi se aproximou de seu pai, Ferrante ficou furioso e ameaçou mandar surrá-lo. Seguiu-se uma batalha de vontades entre o feroz e intransigente marquês de Castiglione e seu igualmente determinado filho de dezesseis anos. Na esperança de fazer o filho mudar de ideia, o marquês o trouxe de volta ao castelo de Castiglione e prontamente enviou Luigi e seu irmão em uma viagem de dezoito meses pelas cortes da Itália. Mas quando Luigi voltou, ele não mudou de ideia.

 

Desgastado pela persistência do filho, Ferrante finalmente deu sua permissão. Naquele novembro, Luigi, aos dezessete anos, renunciou à herança, que passou para seu irmão Ridolfo, um típico Gonzaga com todos os seus maus hábitos. Terminada sua antiga vida, Luigi partiu para Roma.

 

A caminho do noviciado, Luís (como é mais frequentemente chamado hoje em dia) levou uma notável carta de seu pai ao superior-geral jesuíta, que dizia, em parte: “Eu meramente lhe digo que estou entregando em suas mãos de Reverência a coisa preciosa que possuo em todo o mundo”.

 


"A Vocação de São Luís Gonzaga", de Guercino (1650). Fonte: Metropolitan Museum Art

 

Há uma pintura colossal de Guercino pendurada no Metropolitan Museum of Art (foto acima) que mostra, em alegoria, o momento da decisão de Luigi. Dos retratos contemporâneos sabemos um pouco de como era Luigi, e a pintura o retrata com o nariz comprido e o rosto fino da família Gonzaga. Coberto por um arco de mármore e sob um dossel de querubins e serafins tocadores de alaúde, Luís, de batina preta de jesuíta e sobrepeliz branca, olha atentamente para um anjo, que está diante de um altar e aponta para um crucifixo. Ao longe, sob um céu azul da Itália, está o castelo de seu pai. Aos pés de Luís está o símbolo da castidade, um lírio. Atrás dele, no chão, está a coroa do marquês, que Luís renunciou. Um querubim paira no céu, segurando acima da cabeça do jovem uma coroa de outro tipo, um coroa de santidade.

 

A determinação de Luís de entrar na vida religiosa, mesmo diante da feroz oposição de seu pai, encheu-me de admiração quando eu era noviço jesuíta. Quando anunciei aos meus pais pela primeira vez minha intenção de deixar o mundo corporativo e entrar no noviciado, eles também ficaram, pelo menos por um tempo, aborrecidos e esperavam que eu não me juntasse aos jesuítas (eles, no entanto, não ameaçaram me surrar). Depois de alguns anos, eles aceitaram minha decisão e apoiaram alegremente minha vocação. Mas nesse ínterim, quando eu estava determinado e eles também, Luís tornou-se meu patrono.

 

Em sua busca obstinada por Deus, e especialmente sua disposição de desistir de riquezas literais, Luís simboliza perfeitamente uma meditação-chave dos Exercícios Espirituais chamada de “Duas Bandeiras”. Nessa meditação, Santo Inácio pede ao retirante que imagine ser convidado a servir sob a bandeira de um dos dois líderes – Cristo Rei ou Satanás. Se alguém escolhe servir a Cristo, deve necessariamente ser imitando a vida de Jesus, escolhendo “a pobreza em oposição às riquezas; ... insultos ou desprezo em oposição à honra do mundo; ... humildade em oposição ao orgulho”. Há poucos que exemplificam isso tão bem quanto Luís. Então, para mim, ele tem sido um grande herói.

 

Por causa das severas práticas religiosas que Luís já havia adotado, o noviciado jesuíta se mostrou surpreendentemente fácil. Como o padre Tylenda escreve: “Na verdade, ele achou a vida de noviciado menos exigente do que a vida que se impôs em casa” (o desaparecimento das constantes batalhas com seu pai também deve ter lhe dado algum alívio). Felizmente, seus superiores o encorajaram a comer com mais regularidade, orar menos, dedicar-se a atividades mais relaxantes e, em geral, reduzir suas penitências. Luís aceitou esses freios. O padre jesuíta Richard Hermes, em um ensaio intitulado “On Understanding the Saints” (“Sobre a compreensão dos santos”, em tradução livre), observa que, embora a busca obstinada de Luís pela vontade de Deus o tivesse levado a abraçar algumas dessas penitências extremas, “foi a mesma obediência obstinada que o levou moderar essas práticas como jesuíta”.

 

“Há pouco a ser dito sobre os dois anos seguintes de São Luís”, diz Butler em seu livro, já supracitado, “exceto que ele provou ser um noviço ideal”. Ele pronunciou seus votos de pobreza, castidade e obediência em 1587 e no ano seguinte recebeu ordens menores e começou seus estudos de teologia.

 

No início de 1591, uma praga eclodiu em Roma. Depois de pedir esmolas para as vítimas, Luís começou a trabalhar com os doentes, levando os moribundos das ruas para um hospital fundado pelos jesuítas. Lá ele dava banho e alimentava as vítimas da peste, preparando-as da melhor maneira possível para receber os sacramentos. Mas, embora se entregasse a suas tarefas, confessou em particular ao seu diretor espiritual, padre Roberto Bellarmino, que sua constituição se revoltava com o que via e o cheiro do seu trabalho; ele teve que trabalhar duro para superar sua repulsa física.

 

Na época, muitos dos jesuítas mais jovens haviam sido infectados com a doença, e os superiores de Luís o proibiram de retornar ao hospital. Mas Luís – há muito acostumado às recusas de seu pai – insistiu e pediu permissão para retornar, que foi concedida. Eventualmente, ele foi autorizado a cuidar dos doentes, mas apenas em outro hospital, chamado Nossa Senhora da Consolação, onde não eram admitidos os portadores de doenças contagiosas. Enquanto estava lá, Luís levantou um homem de seu leito de doente, cuidou dele e o trouxe de volta para sua cama. Mas o homem foi infectado com a peste: Luís adoeceu e foi acamado em 03 de março de 1591.

 

Luís se recuperou por um tempo, mas quando a febre e a tosse começaram, ele declinou por muitas semanas. Ele teve uma intimação em oração para que ele pudesse morrer na festa de Corpus Christi, e quando esse dia chegou, ele apareceu aos seus amigos melhor do que no dia anterior. Dois padres vieram à noite para lhe trazer a comunhão. Como o padre Tylenda conta a história: “Quando os dois jesuítas chegaram ao seu lado, notaram uma mudança em seu rosto e perceberam que seu jovem Luís estava morrendo. Seus olhos estavam fixos no crucifixo que segurava em suas mãos e, enquanto tentava pronunciar o nome de Jesus, ele morreu”. Como Joana D’Arc e os mártires de Uganda, Luís Gonzaga morreu com o nome de Jesus nos lábios.

 

Ele tinha 23 anos.

 

Sua santidade única foi reconhecida, especialmente por seus confrades jesuítas, ainda em vida. Depois de sua morte, quando o cardeal Roberto Bellarmino conduzia os jovens escolásticos jesuítas pelos Exercícios Espirituais em Roma, ele dizia sobre um tipo particular de meditação: “Aprendi isso com Luís”.

 

Luís Gonzaga foi beatificado apenas quatorze anos após sua morte, em 1605, e canonizado em 1726.

 

Foi no noviciado que fui apresentado a Luís Gonzaga. Na verdade, teria sido impossível perdê-lo ali: ele é um dos santos padroeiros dos jovens jesuítas e é, junto com Santo Estanislau Kostka e São João Berchmans, parte de um trio de primeiros santos jesuítas que morreram jovens.

 

Frequentemente eles aparecem juntos em esculturas de mármore nas igrejas jesuítas: Luís carregando seu lírio, João segurando um rosário e Estanislau apertando as mãos e olhando piedosamente para o céu.

 

Como noviço, achei natural rezar para os três, pois percebi que todos entendiam as dores do noviciado, da formação jesuíta e da vida religiosa. De fato, São João Berchmans foi citado como tendo dito: “Vita communis est mea maxima penitentia” – “A vida em comunidade é minha maior penitência”. Agora havia alguém a quem um noviço podia orar.

 

Por outro lado, como o cardeal jesuíta Avery Dulles comentou uma vez: “Bem, eu me pergunto o que a comunidade pensava dele!”.

 

Mas só dois anos depois do noviciado, quando comecei a trabalhar com refugiados no Chifre da África, comecei a rezar seriamente para Luís. Mesmo na época eu me perguntava o porquê. Minha súbita devoção foi uma surpresa. Às vezes penso que uma razão pela qual começamos a orar a um santo é que o santo já orou por nós.

 

De qualquer forma, eu me pegava pensando em Luís sempre que a vida se tornava difícil em Nairóbi — o que acontecia com frequência. Quando eu estava frustrado por uma súbita falta de água pela manhã, eu silenciosamente fazia uma pequena oração a São Luís por sua intercessão. Quando o jipe que eu dirigia não pegava (várias vezes), eu pedia uma ajuda a São Luís. Quando os ladrões invadiram nossa comunidade e roubaram meus sapatos, minha câmera e o pouco dinheiro que eu tinha economizado, pedi a São Luís que me ajudasse a segurar o fio da minha paciência. E quando fiquei preso na cama por dois meses com mononucleose e me perguntei o que estava fazendo no Quênia, busquei sua intercessão e encorajamento. Achei que ele sabia alguma coisa sobre estar doente. Durante meus dois anos no Chifre da África, tive a sensação de que São Luís estava em seu lugar no céu cuidando de mim o melhor que podia. No mínimo, eu o estava mantendo ocupado.

 

Leia mais

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV