Declínio antropogênico da biodiversidade requer milhões de anos de recuperação

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Reitor da Unisinos rejeita medalha oferecida pelo Itamaraty

    LER MAIS
  • Carta dos epidemiologistas à população brasileira

    LER MAIS
  • A Bíblia como vocês nunca leram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Mai 2021

 

Um novo estudo mostra que a taxa atual de declínio da biodiversidade em ecossistemas de água doce supera aquela da extinção do fim do Cretáceo que matou os dinossauros: danos que estão sendo feitos em décadas a séculos podem levar milhões de anos para serem desfeitos.

A reportagem é publicada por Naturalis Biodiversity Center e reproduzida por EcoDebate, 21-05-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

A atual crise da biodiversidade, frequentemente chamada de 6ª extinção em massa, é um dos desafios críticos que enfrentamos no século 21. Numerosas espécies estão ameaçadas de extinção, principalmente como uma consequência direta ou indireta do impacto humano. Destruição de habitat, mudança climática, superexploração, poluição e espécies invasoras estão entre as principais causas do rápido declínio da biota da Terra.

Para investigar o ritmo da extinção e prever os tempos de recuperação, uma equipe internacional de biólogos evolucionistas, paleontólogos, geólogos e modeladores liderados pela Justus Liebig University Giessen comparou a crise de hoje com o quinto evento de extinção em massa anterior. Esse evento foi o resultado de um impacto de asteroide 66 milhões de anos atrás, erradicando cerca de 76% de todas as espécies do planeta, incluindo grupos de animais inteiros, como os dinossauros.

Concentrando-se na biota de água doce, que está entre as mais ameaçadas do mundo, a equipe de pesquisa reuniu um grande conjunto de dados contendo 3.387 fósseis e espécies vivas de caramujos da Europa cobrindo os últimos 200 milhões de anos. Os cientistas estimaram as taxas de especiação e extinção para avaliar a velocidade com que as espécies vêm e vão e prever os tempos de recuperação.

Os resultados do estudo, recentemente publicado na revista Communications Earth & Environment, são alarmantes. Embora a taxa de extinção durante a 5ª extinção em massa tenha sido consideravelmente maior do que se acreditava anteriormente para a biota de água doce, ela é drasticamente ofuscada pela taxa de extinção futura prevista do 6º evento de extinção em massa atual. Em média, a taxa prevista era três ordens de magnitudes mais altas do que durante o tempo em que os dinossauros foram extintos. Já em 2120, um terço das espécies vivas de água doce pode ter desaparecido.

O ritmo com que perdemos espécies hoje é sem precedentes e nem mesmo foi alcançado durante grandes crises de extinção no passado. “A perda de espécies acarreta mudanças nas comunidades de espécies e, a longo prazo, isso afeta ecossistemas inteiros. Contamos com ambientes de água doce em funcionamento para sustentar a saúde humana, nutrição e abastecimento de água doce”, diz o principal autor do estudo, Dr. Thomas A. Neubauer.

A tendência que os cientistas revelaram para o quinto evento de extinção em massa tem outra perspectiva potencialmente ainda mais terrível para o futuro. Embora a causa da extinção crescente – um impacto de asteróide na Península de Yucatán, no México – tenha sido um evento curto em escalas de tempo geológicas, a taxa de extinção permaneceu alta por aproximadamente cinco milhões de anos. Depois, seguiu-se um período de recuperação ainda mais longo. Levou quase 12 milhões de anos até que o equilíbrio entre as espécies originadas e extintas fosse restaurado.

“Mesmo que nosso impacto sobre a biota mundial pare hoje, a taxa de extinção provavelmente permanecerá alta por um longo período de tempo. Considerando que a atual crise da biodiversidade avança muito mais rápido do que o evento de extinção em massa 66 milhões de anos atrás, o período de recuperação pode ser ainda mais “, diz Neubauer. “Apesar de nossa curta existência na Terra, garantimos que os efeitos de nossas ações vão durar milhões de anos.”

 

Referência:

Neubauer, T.A., Hauffe, T., Silvestro, D. et al. Current extinction rate in European freshwater gastropods greatly exceeds that of the late Cretaceous mass extinction. Commun Earth Environ 2, 97 (2021). Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Declínio antropogênico da biodiversidade requer milhões de anos de recuperação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV