Cientistas alertam para as consequências da superexploração da Terra. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Chega de desgraça: o ex-juiz Moro candidato. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • O poder e a multidão: por que Freud permanece atual

    LER MAIS
  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Agosto 2021


"Antes mesmo do último relatório do IPCC (09/08/21), milhares de cientistas repetiram apelos por ação urgente para enfrentar a emergência climática, alertando que vários pontos de inflexão agora são iminentes", escreve José Eustáquio Diniz Alves, demógrafo e pesquisador em meio ambiente, em artigo publicado por EcoDebate, 18-08-2021.


Eis o artigo.


“É triste pensar que a natureza fala e que a humanidade não a ouve”
Victor Hugo (1802-1885)

O ano de 2021 tem sido marcado por diversas tragédias climáticas, com ondas letais de calor atingindo zonas frias do Planeta, queimadas destruindo plantações e cidades, degelo dos polos e da Groenlândia e tempestades provocando grandes inundações e mortes.

Nada disto é surpreendente. Ao contrário, os cientistas têm alertado que pontos de inflexão climática são “iminentes”, pois a “superexploração da Terra” tem gerado uma degradação geral da natureza e desestabilizado o equilíbrio homeostático global.

 

Foto: EcoDebate

 

Antes mesmo do último relatório do IPCC (09/08/21), milhares de cientistas repetiram apelos por ação urgente para enfrentar a emergência climática, alertando que vários pontos de inflexão agora são iminentes.

Os pesquisadores – parte de um grupo de mais de 14.000 cientistas que assinaram uma iniciativa que declara uma emergência climática mundial – disseram em um artigo publicado na revista BioScience, no dia 28 de julho de 2021, que os governos falharam consistentemente em lidar com “a superexploração da Terra” , que eles descreveram como a causa raiz da crise.

Desde uma avaliação semelhante em 2019, eles notaram um “aumento sem precedentes” em desastres relacionados ao clima, incluindo inundações na América do Sul e sudeste da Ásia, ondas de calor e incêndios florestais recordes na Austrália e nos EUA e ciclones devastadores na África e no Sul da Ásia.

Para o estudo, os cientistas utilizaram os “sinais vitais” para medir a saúde do planeta, incluindo desmatamento, emissões de gases de efeito estufa, espessura das geleiras e extensão do gelo marinho. Dos 31 sinais, eles descobriram que 18 atingiram altas ou baixas recordes. Por exemplo, apesar de uma queda na poluição ligada à pandemia COVID-19, os níveis de CO2 e metano atmosféricos atingiram níveis históricos em 2021.

A Groenlândia e a Antártica mostraram recentemente os níveis mais baixos de massa de gelo e as geleiras estão derretendo 31% mais rápido do que há apenas 15 anos. O calor do oceano e os níveis globais do mar estabeleceram novos recordes desde 2019, e a taxa de perda anual da Amazônia brasileira atingiu o máximo em 12 anos em 2020.

Ecoando pesquisas anteriores, os pesquisadores disseram que a degradação florestal associada a incêndios, secas e extração de madeira está fazendo com que partes da Amazônia brasileira agora atuem como uma fonte de carbono, em vez de absorver o gás da atmosfera: “há evidências crescentes de que estamos nos aproximando ou já cruzamos uma série de pontos de inflexão climática”.

Desta forma, os autores repetiram apelos anteriores por mudanças transformadoras em seis áreas: eliminação de combustíveis fósseis, redução de poluentes, restauração de ecossistemas, mudança para dietas baseadas em plantas, afastamento de modelos de crescimento indefinidos e estabilização da população humana.

Vale a pena ler o artigo apresentado na referência abaixo (Ripple, 2021). Apresento também na referência abaixo (Alves, 2021) uma aula que tive a honra de administrar no curso AM088 “Antropoceno: desafios da complexidade ambiental”, da Unicamp, falando sobre a crise climática, a ultrapassagem da capacidade de carga do Planeta e o decrescimento demoeconômico. Tentei dar um panorama geral da discussão sobre população e desenvolvimento (sustentável). Espero que gostem da aula!

 

Referências:

Groenlândia bate recorde de degelo em 2021. Disponível aqui.

William J Ripple et. al. World Scientists’ Warning of a Climate Emergency 2021, Bioscience, 28/07/2021. Disponível aqui.

ALVES, JED. Aula 11 AM088: Decrescimento demoeconômico e capacidade de carga do Planeta, IFGW, 11/04/21. Disponível aqui.

Nota da redação EcoDebate:

Leia a síntese das principais conclusões do relatório do IPCC clicando aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas alertam para as consequências da superexploração da Terra. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV