“O normal é mortal. A ‘normalidade’ é uma imensa crise”, afirma Naomi Klein

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Abril 2020

Em situações de crise como desastres ou pandemias, os cidadãos podem perder muito. As elites aproveitam tais momentos para aprovar reformas impopulares que agravam as divisões econômicas e sociais. Mas também supõem uma oportunidade de mudança. É o que a jornalista Naomi Klein denomina de “doutrina do choque” ou “capitalismo da catástrofe”. A canadense ofereceu um encontro virtual no último dia 26 de março, de sua casa em New Jersey, no qual compartilhou sua visão da crise do coronavírus e a situação de isolamento vivida por grande parte do planeta. “Esta é uma crise global que não respeita fronteiras. Infelizmente, os líderes em todo o mundo estão buscando uma forma de explorá-la. Sendo assim, nós também devemos compartilhar estratégias”, destacou.

A reportagem é de Diana Moreno, publicada por El Salto, 01-04-2020. A tradução é do Cepat.

“Acredito no