Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Há 150 anos nascia Max Planck, o pai da física quântica e um dos pioneiros da nanotecnologia

Sem Max Planck, prêmio Nobel de Física de 1919, muitas realidades do dia-a-dia do século 21 não seriam possíveis, da energia nuclear à nanotecnologia, do computador ao aparelho de tocar DVDs. Augusto Valente em artigo para o sítio Deustche Welle, 23-04-2005, comenta a importância de Plank para a ciência nos dias de hoje e destaca que apesar das glórias e do reconhecimento profissional, a vida de Max Planck foi marcada por tragédias pessoais.

Eis o artigo.

"É verdade, antes a física era mais simples, harmônica e, portanto, mais satisfatória." Esta frase, escrita por Max Planck em 1922, soa quase irônica, vinda de um dos cientistas que mais contribuíram para destruir o edifício milenar das ciências naturais clássicas.
 
Max Ludwig Planck nasceu em 23 de abril de 1858 na cidade de Kiel, no norte da Alemanha. Sua família tinha tradição no ensino: o pai lecionava Direito, avô e bisavô haviam sido teólogos. Max logo demonstrou talentos diversos, tanto para a música como para as línguas antigas, a matemática e a física.

Ao encerrar o nível médio, aos 16 anos, perguntou ao físico Johann von Jolly se deveria abraçar a carreira de cientista. O amigo da família o desencorajou: na realidade, não havia mais nada de relevante a se pesquisar. Que tal música? Afinal, ele brilhara como soprano no coro infantil, tocava bem piano e órgão.
 
Felizmente para a ciência e a técnica, o senso prático o impediu de seguir o conselho de Jolly, e o jovem se matriculou em Matemática e Física na Universidade de Munique. Sem Planck, muitas realidades do dia-a-dia do século 21 não seriam possíveis, da energia nuclear à nanotecnologia, do computador ao aparelho de tocar DVDs.
 
Física fora da lei
 
A termodinâmica ocupou o jovem cientista desde cedo. Sua tese de formatura, que publicou aos 21 anos, se intitulava Sobre a segunda lei da teoria mecânica do calor. Em 1894, ano em que ingressou na Academia Prussiana de Ciências, voltou a atenção para uma questão aparentemente simples: por que, ao ser aquecido, um ferro primeiro irradia luz vermelha, depois amarela e finalmente branca?
 
Dois obstáculos se interpunham à compreensão do fenômeno. Por um lado, a imagem do mundo físico vigente se baseava na certeza de que todas as mudanças de estado ocorrem de forma absolutamente gradativa. Uma noção sintetizada em 1751 na frase "Natura non facit saltus" – A natureza não dá saltos –, do botânico sueco Carl von Linné, porém já presente nas formulações de Aristóteles ou na Lei da Continuidade de Gottfried Leibniz (1646-1716), considerada inabalável.
 
Por outro lado, para descrever a distribuição de energia no exemplo do ferro em brasa, eram necessárias duas fórmulas, uma para as ondas longas, no extremo vermelho do espectro, outra para as ondas curtas, na região ultravioleta.
 
Salto quântico
 
Em outubro de 1900, Planck conseguiu superar este obstáculo. Através de interpolação matemática, ele derivou uma terceira equação, que explica perfeitamente os dados observados experimentalmente. Mais tarde, contrariado, atribuiria essa nova fórmula da radiação a um golpe de sorte, uma "suposição afortunada". Pior ainda, a conclusão lógica de suas descobertas foi a suspensão da Lei da Continuidade.
 
Durante uma sessão da Sociedade Alemã de Física, em 14 de dezembro do mesmo ano, Planck apresentou o resultado de suas pesquisas. A irradiação de calor não ocorreria na forma de um fluxo constante de energia, mas sim em pequenas porções, chamadas "quanta" (plural de quantum). Os espaços mínimos entre estas unidades são os "saltos quânticos" – termo em breve incorporado à linguagem do dia-a-dia.
 
Os colegas de Planck reconheceram com cortesia esta noção revolucionária, mas, na verdade, àquela altura ninguém o levou realmente a sério. Contudo, os anos seguintes mostrariam que a "teoria quântica" permitia explicar resultados experimentais até então enigmáticos.
 
A teoria na prática
 
Segundo Michael Bonitz, diretor do Instituto de Física Teórica da Universidade de Kiel, "sem as idéias de Planck, seriam impensáveis o desenvolvimento dos transistores, lasers e os avanços da moderna tecnologia informática".

Um exemplo de como Planck inspirou a comunidade científica é o "efeito fotoelétrico". Sabia-se que uma superfície metálica emite um fluxo de energia (elétrons) sob a influência da luz, sem que se pudesse explicar por quê. Em 1905 Albert Einstein aplicou com sucesso a hipótese quântica ao fenômeno, atribuindo-o à ação dos "fótons" – quanta de luz.
 
Foi graças à intervenção de Max Planck que Einstein se mudou em 1914 de Zurique para Berlim. Pouco depois, irrompeu a Primeira Guerra Mundial. Assim como muitos de seus colegas, o conservador Planck assinou um nacionalista "Apelo ao mundo cultural", fato que mais tarde lamentaria.
 
Em 1919, recebeu retroativamente o Prêmio Nobel de Física de 1918 e atuou como um dos principais organizadores da ciência na República de Weimar. A partir de 1930, encabeçou o Instituto Kaiser Wilhelm.
 
Política, Einstein, Padre Nosso e um gato
 
Sua postura durante o regime nazista (1933-1945) foi ambivalente. Ao mesmo tempo em que lamentou a saída de Einstein da Academia Prussiana, Planck o acusou de, através de seu comportamento político, haver tornado impossível a própria permanência. O cientista judeu, refugiado desde 1933 nos Estados Unidos, perdoaria mais tarde o colega, que entenderia "tanto de política quanto um gato do Pai Nosso".
 
Apesar das glórias e do reconhecimento profissional, a vida de Max Planck foi marcada por tragédias pessoais. Sua primeira esposa sucumbiu ainda jovem à tuberculose, o filho primogênito caiu em 1916 na batalha de Verdun; as gêmeas Emma e Grete morreram ao dar à luz em 1917 e 1919, respectivamente.
 
Apesar dos pedidos pessoais de misericórdia do conceituado cientista, seu filho mais novo, Erwin, foi executado em janeiro de 1945 por envolvimento na tentativa de atentado contra Adolf Hitler. O cientista morreu em 4 de outubro de 1947 em Göttingen, aos 89 anos, em conseqüência de uma queda e de diversos derrames. Sob pressão dos Aliados, o Instituto Kaiser Wilhelm – cujo nome estava comprometido com a ideologia nazista – foi rebatizado em fevereiro de 1948 como Instituto Max Planck.

Leia mais.

Os `mistérios` da nanotecnologia

As conquistas e os desafios da nanociência. Entrevista especial com Peter Schulz

Planck viajará a 1,5 milhões da Terra para pesquisar uma história de 13,7 bilhões de anos

Comentários encerrados.

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É muito claro a influência que a religião possui nos brasileiros atualmente, e é extremamente re..." Em resposta a: Entre a manipulação da Bíblia e a posse da Vagina
"Ótimo texto publicado "Um guia de leitura para a Laudato SI"- sobre o cuidado da casa comum - uma r..." Em resposta a: Um guia de leitura para a Laudato Si’
"Embaraçosa e confusa. Não tem mais condições de prosseguir. Não responde as perguntas mais simp..." Em resposta a: Dilma nega compromisso com novas eleições em entrevista à Agência Pública

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium