Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Processo de canonização do padre Patrick Peyton é enviado ao Vaticano

O Pe. Patrick Peyton, da Congregação de Santa Cruz, cujos populares programas de rádio e de televisão promoviam a oração familiar, deu um passo a mais rumo à canonização.

A reportagem é de George P. Matysek Jr., publicada no jornal The Catholic Review, da arquidiocese de Baltimore, EUA, 20-07-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A arquidiocese de Baltimore, nos EUA, completou recentemente uma investigação exaustiva sobre a vida e o ministério do Pe. Peyton e irá enviar as cópias do seu relatório de 16.000 páginas à Congregação para as Causas dos Santos de Roma nesta semana.

Quando esta edição do The Catholic Review foi impressa, o arcebispo Edwin F. O`Brien celebrou o encerramento do inquérito arquidiocesano com uma missa no dia 20 de julho na Basílica do Santuário Nacional da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria, em Baltimore.

Citando a experiência da arquidiocese de Baltimore em outras causas de canonização, o Vaticano pediu que Baltimore assumisse a investigação da causa do Pe. Peyton em nome da diocese de Fall River, Massachusetts, em 2006.

O Pe. Gilbert Seitz, delegado do arcebispo O`Brien para o inquérito, disse que o Vaticano irá usar o relatório de Baltimore para determinar se o Pe. Peyton viveu de forma heroica. O Papa, então, irá determinar se o Pe. Peyton pode ser chamado de "venerável", e as autoridades irão investigar possíveis curas atribuídas à intercessão do Pe. Peyton. Se uma cura for determinada como milagrosa, o Pe. Peyton – agora reconhecido como "servo de Deus" – será declarado "beato". Outro milagre será necessário para que ele seja canonizado.

"Foi fascinante conhecer o Pe. Peyton", disse o Pe. Seitz, indicando que cerca de 80 testemunhas que conheceram ou trabalharam com o Pe. Peyton foram entrevistadas para o relatório. Entre elas, estavam 50 testemunhas de todos os Estados Unidos e 30 de outros 13 países.

"Ele era firme em sua lealdade à Igreja e era muito orgulhoso de ser católico e de compartilhar sua fé," disse o Pe. Seitz. "Ele provavelmente foi o primeiro a ver o papel que a mídia eletrônica poderia desempenhar na evangelização".

Dolores Hope, viúva de Bob Hope, estava entre as testemunhas norte-americanas entrevistadas. Joseph Campanella, ator de Hollywood, também deu testemunho. O Pe. Peyton chegou a conhecê-los, assim como muitas estrelas de cinema e celebridades, depois de fundar a Family Theater Productions em Hollywood, em 1947. Esse ministério produziu mais de 600 programas de rádio e televisão e fez mais de 10 mil transmissões. Pe. Peyton também realizou "cruzadas do rosário" para milhões de pessoas em dezenas de países.

"Ele era extremamente dedicado à promoção da devoção à Nossa Senhora através do Rosário", disse o Pe. Seitz.

A equipe de Baltimore pediu que os bispos de 19 dioceses dos Estados Unidos e 13 dioceses em 13 países nomeassem comitês para ouvir testemunhos e enviá-los a Baltimore. Pe. Seitz disse que o inquérito chegou a pessoas "de Sydney a San Diego e de Roma ao Rio de Janeiro".

"Nossa tarefa era coordenar o recolhimento de todas as informações", disse. "Nós também reunimos material de arquivo. Uma comissão histórica foi nomeada, e seus integrantes visitaram sete diferentes depósitos de arquivos para coletar documentos históricos".

Padre Peyton, o "Padre do Rosário", é conhecido por cunhar frases como "a família que reza unida permanece unida" e "um país sem oração é um país sem paz".

Eileen Gerwin, paroquiana da Igreja de Nossa Senhora dos Anjos em Catonsville, atuou como primeira secretária do Pe. Peyton de 1945 a 1948 em Albany, Nova York. Ela conheceu o padre quando ela era uma estudante do segundo ano no Instituto Vicentino, uma escola secundária que o Pe. Peyton visitava frequentemente para falar sobre o terço.

"Ele costumava ditar cartas para mim depois da escola, e eu as datilografava", lembrou Gerwin, que foi uma das testemunhas no inquérito. "Elas eram enviadas a padres e bispos e a outros para promover o rosário."

Gerwin lembra-se do Pe. Peyton como alguém "gentil" e um homem "brilhante" que era inteiramente dedicado à Virgem Maria.

"Ele a amava e não se importa em dizer às pessoas tudo o que ela fez por ele e por sua família", disse Gerwin. "Ele dedicou cada minuto de sua vida a ela. Eu não me lembro dele ter ido a um jogo ou a um evento esportivo ou ao cinema. Ele parecia quase não ter outra paixão a não ser Nossa Senhora".

Gerwin disse que se sentia como se estivesse na presença de uma pessoa santa sempre quando estava perto do Pe. Peyton.

"Não há nenhuma dúvida em minha mente de que ele é um santo", disse ela.

Pe. Peyton, que emigrou da Irlanda aos Estados Unidos aos 19 anos, foi o fundador da Holy Cross Family Ministries, que inclui o Family Rosary, a Family Theater Productions, o Father Peyton Family Institute e a Family Rosary International. Ele morreu em 1992 e está enterrado em Easton, Massachusetts

Andrea Ambrosi atua como postulador da causa de canonização do Pe. Peyton em Roma. O Pe. David Marcham é o vice-postulador. Localmente, Teresa Ewen foi notária do inquérito arquidiocesano e o padre capuchinho William Graham foi o promotor de justiça.

Nota da IHU On-Line: Pe. Peyton esteve no Brasil nos anos que precederam o golpe militar de 1964. Ele liderou a Cruzada do Rosário em Família com o lema: Família que reza unida permanece unida. A Cruzada desempenhou um importante papel na preparação ao golpe.

Comentários encerrados.

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Névio, acho que, diferentemente de você, Pedro R. de Oliveira entendeu o mote e o artigo! Veja: ht..." Em resposta a: Fé e Política: urge repensar
"Destruir muros e aproximar pessoas no caminho evangélico da Misericórdia é a Mensagem de Bergogli..." Em resposta a: Argentina. Padres que atuam nas favelas e Geração Francisco denunciam uma “brutal campanha” contra o Papa
"A leitura do artigo nos remete a um trecho do discurso Oração aos Moços, de Rui Barbosa, quando c..." Em resposta a: A falta de vergonha e a ausência de culpa na corrupção brasileira. Artigo de Leonardo Boff

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium