Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

31 mil crianças gaúchas estão fora da escola, alerta relatório da ONU

Trinta e um mil gaúchos entre sete e 14 anos estão fora da escola. No Brasil, o número chega a 686 mil.

Os dados alarmantes integram o relatório Situação da Infância e da Adolescência Brasileira, recém-divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A notícia é do jornal Zero Hora, 17-06-2009.

Vigésimo na lista dos Estados com maior percentual de sem-escola, o Rio Grande do Sul aparece mal em termos absolutos: é o décimo com mais crianças fora do sistema educacional. Baseado em números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2007), o levantamento aponta que não estão frequentando as aulas 2,1% das crianças dessa faixa etária no Rio Grande do Sul e 2,4% no Brasil.

_ O percentual de crianças fora da escola é baixo. Mas os percentuais escondem muita coisa. Quando se olha em termos absolutos, o número assusta - observa Maria de Salete Silva, coordenadora do programa de Educação do Unicef no Brasil.

Conforme o Unicef, algumas causas para o afastamento das crianças já foram detectadas. A principal delas seriam as deficiências físicas e mentais. Dos 686 mil alunos fora da escolas, 147 mil recebem ajuda financeira do governo por conta das deficiências. São crianças que não estão matriculadas porque falta uma cadeira de rodas, porque a escola não tem acesso facilitado ou porque o sistema de ensino não está preparado para atendê-los.

O outro fator apontado pelo Unicef é o acesso. No sul do Brasil, diz Maria de Salete, a cultura do meio rural de trabalho infantil na lavoura é um fator importante de abandono da escola.

Para a Secretaria Estadual da Educação, a origem do problema está nas classes de alfabetização. Conforme Sonia Balzano, diretora do departamento pedagógico, o fracasso da escola em alfabetizar no início do Ensino Fundamental costuma afastar o aluno. Como resposta, a secretaria implantou na 1ª série, neste ano, programas inovadores. São formas alternativas de alfabetizar elaboradas por diferentes entidades.

– O nosso principal desafio é a alfabetização. A criança alfabetizada tende a continuar – diz Sonia.

O objetivo do Unicef com a campanha é lançar um alerta e mobilizar a sociedade para localizar as crianças que não estão estudando e descobrir por que elas não vão às aulas.

– Nesse índice de 2%, ficam as situações muito particulares. Temos de resolver os casos um por um. É possível fazer isso – diz Maria de Salete.

Comentários encerrados.

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"No Brasil, é mais saudável beber um refrigerante do que um suco de abacaxi... aquele abacaxi branc..." Em resposta a: Estudos epidemiológicos apontam relação entre consumo de agrotóxicos e câncer. Entrevista especial com Karen Friedrich
"-QUE POLITICOS ESTÃO ENVOLVIDOS,NESTA NEGOCIATA INFAME?SAI A CORÔA PORTUGUESA E ENTRAM OS CANADENS..." Em resposta a: Projeto bilionário de grupo canadense quer extrair ouro no Xingu

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium