Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Igreja Católica atua pela saída de não-índios da Raposa desde os anos 70

A criação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol no formato de área contínua, sem bolsões de terra para produtores rurais não-indígenas, não foi uma vitória só dos índios. Ela pode ser creditada também à Igreja Católica. Mais especificamente aos bispos, padres, freiras e leigos que atuam na linha da Teologia da Libertação, que dá forte ênfase a questões sociais e políticas, estimulando as pessoas mais pobres à ação, para se libertarem de estruturas sociais consideradas injustas.

A reportagem é de Roldão Arruda e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 05-05-2009.

D. Aldo Mongiano, bispo da Diocese de Roraima entre 1975 e 1996, incentivou e estimulou índios a brigarem pela demarcação da terra indígena. A primeira comissão formada pelo governo federal para analisar essa reivindicação surgiu em 1977 - dois anos após sua chegada a Roraima. Em 2005, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva homologou a demarcação, ele já estava aposentado, mas fez questão de ir à sede da Fundação Nacional do Índio, em Brasília, elogiar a medida.

O nome de d. Aldo ainda é muito lembrado em Roraima. Os produtores rurais que se opuseram à demarcação costumam dizer que foi o responsável pela quebra da harmonia que existia entre índios e não-índios de Roraima. Ao comentar o assunto em uma entrevista, o presidente da Federação da Agricultura de Roraima, Almir Morais Sá, disse recentemente que a Igreja, sob "a orientação de um bispo chamado d. Aldo Mongiano", orientou os indígenas sobre a demarcação, além propagar entre eles conceitos de "tradição, povo, cultura".

POEMA

Na semana passada, quando os últimos produtores rurais não-índios eram retirados da Raposa Serra do Sol, o jornal Folha de Boa Vista publicou poema, assinado por Alcides Magalhães Lima, da Academia Roraimense de Letras e opositor da demarcação em área contínua, no qual ele também recordou o bispo, de forma depreciativa. Eis um trecho: "O vasto clero católico/ apostólico, romano/recebeu no seu comando o Don Aldo Mongiano/Regiamente compensado/Mistura fé com profano..."

Do outro lado, d. Aldo recebe homenagens. Foi o que aconteceu na terça-feira da semana passada, às vésperas da retirada dos últimos não-índios da reserva. Naquele dia, em Maturuca, povoado do município de Normandia, ocorreu uma celebração religiosa para festejar a demarcação. Na ocasião, o nome de d. Aldo foi um dos mais lembrados.

Comentários encerrados.

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Aplaudo de pé a iniciativa do presidente do Equador. Rafael Correa nos representa na luta contra os..." Em resposta a: O Equador apresenta ao Vaticano seu plano para acabar com os paraísos fiscais
"Nota-se um grande desenvolvimento conceitual de ensino por parte das instituições cristãs, sobret..." Em resposta a: Há 237 anos Catarina ordenava que os jesuítas ignorassem a Bula Papal de supressão
"Tese, antítese e síntese: não gosto das coisas. Gosto de gostar e de não gostar das coisas, logo..." Em resposta a: Lançada Frente Nacional contra o "Projeto Escola sem Partido"

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium