Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Acabou a era FHC. Um artigo de Marcos Nobre

Marcos Nobre, professor de filosofia política da Unicamp e pesquisador do Cebrap comenta a entrevista que Lula concedeu, no domingo, a quatro órgãos de imprensa. Para ele, "entrevista é o contraponto da carta aberta de FHC". Pela importância da entrevista de Lula, a reproduzimos nas notícias diárias de hoje.

O artigo de Marcos Nobre foi publicado no jornal Folha de S. Paulo, 20-9-2006.

"Lula deu uma rara entrevista a quatro órgãos de comunicação no domingo. É até agora o documento de campanha mais importante. Mas ainda não recebeu a devida atenção porque tem sido interpretado de maneira limitada, como tentativa de desviar o foco da crise do dossiê.

A entrevista é o contraponto da carta aberta de FHC. É uma análise do primeiro mandato e um mapa do segundo. E mostra que o desespero da carta de FHC tem fundamento.

Porque Lula deixou claro que pretende e tem meios para desmontar a armação do sistema político deixada pelo antecessor. O Plano Real não foi apenas um plano de estabilização econômica. Foi também um plano de estabilização política. Ordenou o sistema de tal maneira que empurrou todos os partidos para uma disputa pelo centro político, apertando ao máximo o espartilho das políticas públicas possíveis. O grande teste desse modelo foi a alternância de poder. Segundo a lógica instaurada pelos dois governos FHC, o PT no poder federal estaria condenado ao PMDB para constituir o segundo pólo da política brasileira.

Só que o governo Lula não seguiu o figurino. Recusou uma aliança duradoura com o PMDB bem cedo, em 2004, quando o então ministro José Dirceu já havia negociado em detalhe uma composição e foi desautorizado pelo presidente. Essa atitude quase custou a Lula seu mandato. Mas a partir do momento em que conseguiu se manter acima da crise política do mensalão e do próprio PT, Lula abriu caminho para se desvencilhar da camisa-de-força que recebeu. E para organizar o sistema político em novas bases.

É isso o que explica o desespero da carta aberta de FHC. Ficou claro para o ex-presidente que o momento perdido de um eventual impeachment de Lula tinha pavimentado o caminho para a destruição de seu verdadeiro legado: um sistema de dois pólos travado no centro político.

E o golpe de morte foi dado pela escolha de uma candidatura presidencial sem nenhum brilho e sem capacidade de manter coeso o pólo PSDB-PFL.
Lula não pretende poupar esforços para quebrar o pólo representado pela aliança PSDB-PFL, aproveitando para se infiltrar nas rachaduras da disputa entre Aécio Neves e José Serra pela candidatura à Presidência em 2010. Esse o sentido do chamamento a um "pacto de responsabilidade".

É certo que Lula pretende mesmo atrair o que for possível do PMDB, além dos pequenos partidos dependentes do governo para sobreviver. Deixa claro também que o PT já não desempenhará papel protagonista nesse processo. Mas é difícil saber que cara terá a reorganização do sistema político que pretende empreender. Só o seu sentido é claro: o fim do modelo político brasileiro de FHC."

Comentários encerrados.

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Muito boa a tradução dessa entrevista importante.

Uma pequena correção:

A ..." Em resposta a: A fase do capitalismo impotente. Entrevista com David Graeber
"Excelente esta Entrevista com Samir Khalil Samir que na minha opinião deve ser repetida em outras e..." Em resposta a: Uma crise profunda abala o Islã. Entrevista com Samir Khalil Samir
"Apoio totalmente as reformas. E o maior papa que a igreja já teve depois de são francisco." Em resposta a: Você apoia o Papa Francisco e suas reformas?

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium