“Honduras é o país mais perigoso do mundo para ser ambientalista”

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • A propósito da Consagração a Nossa Senhora

    LER MAIS
  • Oposição assiste atônita ao derretimento de Jair Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 15 Julho 2016

O cadáver da ativista Lesbia Yaneth foi encontrado no dia 6 de julho, uma quarta-feira, no aterro municipal de Marcala (La Paz, Honduras). Yaneth havia desaparecido na terça-feira, após sair de sua casa, de bicicleta, próximo das 17h. O corpo apresentava um traumatismo cranioencefálico aberto, produzido por um objeto cortante.

 
Fonte: https://goo.gl/s1W56T  

A reportagem é publicada por Diagonal, 11-07-2016. A tradução é do Cepat.

O assassinato de Yaneth é o segundo de uma ativista pelos direitos indígenas e da natureza que ocorre no país, em quatro meses, após o de Berta Cáceres, em início de março.

Assim como Cáceres, Yaneth fazia parte do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH), como liderança indígena, opondo-se a um projeto hidrelétrico sobre o rio Chinacla, que passa por regiões indígenas lencas, no oeste de Honduras.

Em um comunicado, o COPINH responsabilizou “diretamente” pelo assassinato de Yaneth “o governo de Honduras, sob responsabilidade de Juan Orlando Hernández, as forças militares e policiais e todas as instituições governamentais que devem garantir a proteção de todas e todos os defensores de direitos humanos e dos bens comuns da natureza, assim como a senhora Gladys Aurora López, vice-presidente do Congresso Nacional, e seu esposo Arnold Castro por ser fonte permanente de ameaças e conflitos pela construção de projetos hidrelétricos no departamento de La Paz”.

O Conselho também destacou o caráter de “feminicídio político” do assassinato de Yaneth, por entender que se busca “calar as vozes das mulheres que com coragem e valentia defendem seus direitos contra o sistema patriarcal, racista e capitalista, que cada vez mais se aproxima da destruição de nosso planeta”.

Para Alejandro González, coordenador da ONG Amigos da Terra, os assassinatos de Cáceres e Yaneth provam que “Honduras é o país mais perigoso do mundo para ser ambientalista”.

González afirma que em apenas quatro meses foi repetido o mesmo padrão, no qual se conformam o assassinato de uma ativista, os interesses de uma hidrelétrica que opera em Honduras com capital estrangeiro e a conivência do governo. “O mais terrível é a sensação de impotência e impunidade. Após o assassinato de Cáceres houve uma forte resposta internacional que conseguiu prejudicar o projeto contra o qual ela lutava”, recorda González, que pede que se adote recursos potentes nas investigações.

Amigos da Terra exige da comunidade internacional a tomada de medidas para evitar “esta barbárie que, desde 2010, acabou com a vida de mais de uma centena de ativistas”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Honduras é o país mais perigoso do mundo para ser ambientalista” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV