Coletores da Rede de Sementes participam de formação para identificar espécies botânicas

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • A CNBB urge o governo a tomar “medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta”

    LER MAIS
  • Planeta em chamas. Artigo de Eliane Brum

    LER MAIS
  • 10 mapas e imagens de satélite internacionais que mostram a dimensão das queimadas no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Junho 2016

Especialistas em botânica afirmam que o Cerrado tem em torno de 12 mil espécies de plantas identificadas e que as ainda não identificadas seriam de mais 12 mil. Conhecer tais espécies é fundamental para os coletores de sementes. Atenta a isso, a Rede de Sementes do Xingu, mais do que uma rede de coleta, está formando coletores para que ampliem seus conhecimentos sobre a flora do Cerrado e da Amazônia.

A reportagem é de Rafael Govari, publicada por Instituto Socioambiental - ISA, 14-06-2016.  

“Dominar a flora local não pode ser um privilégio dos cientistas. Isso é um patrimônio brasileiro e todos têm o direito de dominar esse conhecimento”, defende a professora de botânica da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), campus de Nova Xavantina, Beatriz Schwantes Marimon. A coletora Herta Ehrleich, que mora em Canarana, elogiou o curso: “Gostei muito, porque têm muitas sementes que a gente não conhece e aqui estou aprendendo a identificá-las. Esse é um dos melhores cursos que já fiz até hoje. Aprendi, por exemplo, que as sementes da copaíba do mato e do Cerrado são idênticas, mas o que as diferenciam é a árvore”.

Já D. Odete Severino Barbosa, coletora no Projeto de Assentamento Macife II, em Bom Jesus do Araguaia, quer aumentar sua produção de sementes: “Eu trouxe num caderno as folhas de árvores que a gente não conhece. Na minha terra tem um bocado de árvore que dá um mundo de semente que a gente não conhece. Agora que estou aprendendo, vou poder aumentar a coleta”.

Durante as atividades da oficina, foram surgindo pautas diferentes e os coletores expuseram as dúvidas que enfrentam no dia a dia. A diretora da Rede, Cláudia Araújo, disse que os participantes falaram sobre algumas sementes que eles não conseguem germinar. “Por exemplo, a embaúba e a gameleira eles não estão conseguindo fazer germinar e apresentaram isso aos professores da Unemat, que irão ajudar a gente nesse aspecto”, explicou.

Se o curso ajuda os coletores a identificar as espécies e possibilita uma coleta de mais espécies e mais garantia ao produto, difundir o conhecimento da flora local também auxilia na conservação da nossa biodiversidade. Mas não é só isso. A professora Beatriz Schwantes acredita também que os coletores poderão ajudar no descobrimento de novas espécies.

“Os coletores, agora, vão sair com os olhos um pouquinho diferentes daqui e quando forem olhar a planta, verão detalhes diferentes e, fotografando, os especialistas podem descobrir se é uma espécie nova”, avalia Beatriz. “O descobridor pode ser um coletor da Rede, tranquilamente, porque são eles que estão lá no dia a dia. Quem sabe daqui a 50 anos teremos uma grande Rede de Coletores e de Especialistas”.

Em 2015, foram comercializadas 17 toneladas de sementes florestais de 120 espécies por 420 coletores da Rede de Sementes do Xingu. As próximas formações devem aprofundar os conhecimentos em identificação botânica e qualidade das sementes.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Coletores da Rede de Sementes participam de formação para identificar espécies botânicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV