Polícia faz buscas na empresa que construiu complexo dos Jogos do Rio de Janeiro

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A ONU alerta que a covid-19 acelerará a transferência do poder econômico e político para as elites ricas

    LER MAIS
  • “Em nossa história moderna nunca sofremos duas revoluções tão profundas, em tão pouco tempo”. Entrevista com Ángel Bonet Codina

    LER MAIS
  • #MeToo e os novos movimentos eclesiais. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Junho 2016

Suspeitas de fraude no valor de mais de 21 milhões de euros nas obras de Deodoro, onde devem decorrer competições equestres, de canoagem, râguebi e de pentatlo.

A Polícia Federal brasileira executou um mandado de buscas e apreensão por suspeita de fraude nos escritórios do consórcio que está a construir as suas maiores instalações desportivas dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o Complexo Desportivo de Deodoro.

A informação é publicada por Público, 07-06-2016.

Um financiamento bancário no valor de 128 milhões de reais (cerca de 32 milhões de euros) obtido pelo consórcio, constituído pelas empresas OAS e Queiroz Galvão, foi bloqueado enquanto decorrem as investigações, diz um comunicado da polícia citado pela Reuters.

O Deodoro, no Norte do Rio de Janeiro, é o primeiro complexo olímpico que está a ser alvo de investigações por fraude. Ali devem decorrer competições equestres, de canoagem, râguebi e de pentatlo. A suspeita é de que 85 milhões de reais (mais de 21 milhões de euros) tenham sido desviados dos cofres do Governo federal através da falsificação de documentos e criação de empresas fantasma para simular o transporte e eliminação de resíduos das obras, explica o jornal O Globo, citando uma declaração do Ministério da Transparência.

Os procuradores-federais brasileiros estão a investigar todos os projetos dos Jogos Olímpicos – com data de início marcada para 5 de Agosto – que usaram dinheiros federais, recorda a Reuters. Cinco empresas estão a construir a maioria dos projetos, no valor de 39 mil milhões de reais (9800 milhões de euros) dos complexos desportivos e infra-estruturas necessários para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, e todas essas empresas estão envolvidas no mega-esquema de corrupção na Petrobras, conhecido como Lava Jato.

Estão já sob investigação projetos de reabilitação urbana como o Porto Maravilha, destinado a recuperar a zona portuária, bem como a expansão da linha de metro para zona Olímpica na Barra.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polícia faz buscas na empresa que construiu complexo dos Jogos do Rio de Janeiro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV