A origem da vida: existe uma resposta plausível?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Junho 2016

O ser humano, em algum momento, na sua existência conviverá com a pergunta pelas origens. Ele busca saber como tudo aconteceu até aqui. Nele desvela-se um anseio profundo. Não foram unânimes as respostas, mas buscaram com muitas nuances uma resposta adequada para cada tempo. Ela fez companhia às tradições bíblicas e hoje permanece inquietante e desafiadora desde as pessoas mais simples até os cientistas com seus laboratórios sofisticados.

A vida como irrupção de uma pergunta, não é apenas a humana, mas a existência complexa, perpassando uma singularidade atinge uma diversidade de seres. Ela possui exigências mínimas e propriedades estruturais e dinâmicas indispensáveis. Os seres vivos compartilham uma tríplice característica: reprodução, mutação e metabolismo. 

Há 3,5 bilhões de anos, a vida complexa encontrou no planeta Terra as condições necessárias para se desenvolver e emergir no seu esplendor. A vida humana apenas registra 200 mil anos de existência. De modo geral, não é possível afirmar a existência de vida “extra-terra”. Nada foi constatado e comprovado pela ciência. A ausência de comprovação não impossibilita outras existências, sobretudo porque não damos conta de penetrar no mistério do Universo. 

O ser humano, na busca pelas origens, investe em narrativas e em tecnologias. Os métodos são diferentes, mas os anseios são os mesmos: um busca um sentido para o existir de tudo, o outro procura uma comprovação efetiva desse existir. Ambos são tentados pela pretensão de “dominar” e “submeter”. Não obstante encontram os instrumentais para realizarem tal feito. 

A narrativa bíblica não é excludente de uma teoria científica. Seu propósito está na busca de um sentido para tudo que existe, consequentemente na presença de Deus (que é Criador). Ela é uma imagem ou convicção tardia na experiência humana e religiosa de Israel. A experiência mais marcante foi de libertação, que inclusive inaugura um novo relacionar com a terra: “ter tudo sem possuir nada”. Aos poucos isso foi permanecendo no esquecimento. 

A fé num Deus Criador reavivou essa perspectiva. É um dom, que exige uma responsabilidade. O imperativo de “submeter e dominar” é traduzido como “cuidar”, que sem muitas delongas tornou-se motivo e argumento de dominação e exploração. Nele expressa-se que outros interesses foram mais interessantes que a dádiva de uma terra. Nesse horizonte, pode-se pensar a vida na sua complexidade, ele irrompe sem pedir licença, chega sem avisar.

Quase somos forçados a dizer como Chicó, no Auto da Compadecida: “não sei, só sei que é assim”. Não é um determinismo imobilizador. Mas, encontra-se na dinâmica do mistério, que irrompe no esplendor de cada desdobramento, reconhecendo a dignidade de cada ser, desde microcosmos até macrocosmos. É o mistério nosso de cada dia. Ainda cabe uma pergunta: Por que o ser humano investe tanto para saber suas origens?

Hans Küng, teólogo suiço, no Cadernos Teologia Pública, edição 44, apresenta uma contribuição significativa no debate entre ciências naturais, religião e teologia. Busca uma reflexão lúcida da questão da vida desde os principais confrontos entre teoria da evolução de Darwin, biologia molecular e teologia da criação. Não é suficiente permanecer em “eternos” embates, que não consideram aquilo que é importante e complementar através de uma disposição para o diálogo. 

 

O texto está organizado da seguinte maneira:

1. Desde quando existe vida?

2. Estamos sós no universo?

3. Uma busca infrutífera

4. Como surgiu a vida?

5. Predominância do acaso?

6. Seria Deus supérfluo?

7. Por que um cosmos propício à vida?

8. Um princípio antrópico?

9. “A luz inacessível”


Para acessar o texto: clique aqui

Hans Küng, doutor em Teologia pela Pontificia Universidade Gregoriana, professor emérito na Universidade de Tübingen, fundador do Instituto de Pesquisas Ecumênicas e do Projeto de Ética Mundial. Autor de vários livros:

A igreja tem salvação? (São Paulo: Paulus, 2012)

O princípio de todas as coisas: ciências naturais e religião (Petrópolis: Vozes, 2009)

Umstrittene Wahrheit: erinnerungen (München: Piper, 2007)

 Éticas da mundialidade (São Paulo: Paulinas, 2000)

Uma ética global para a política e a economia mundiais (Petrópolis: Vozes, 1999)

Morir con dignidad (Madrid: Trotta, 1997)

Projeto de Ética Mundial (São Paulo: Paulinas, 1992)

O que deve permanecer na Igreja (Petrópolis: Vozes, 1976)

Ser cristão (Rio de Janeiro: Imago, 1976)

 A Igreja (Lisboa: Moraes, 1969)

Para que o mundo creia (Rio de Janeiro: Agir, 1966)

Por Jéferson Ferreira Rodrigues

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A origem da vida: existe uma resposta plausível? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV