França: movimentos sociais realizam novos protestos contra reforma trabalhista de Hollande

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Abril 2016

Organizações sociais francesas como a CGT (Confederação Geral do Trabalho) e a Unef (União Nacional de Estudantes da França) realizaram nesta quinta-feira (28/04) protestos e paralisações contra o projeto de reforma trabalhista do governo de François Hollande, que será debatido no Parlamento na próxima semana.

A reportagem foi publicada por Opera Mundi, 28-04-2016. 

Passeatas e atos em todo o país reuniram pelo menos 170 mil pessoas, segundo as autoridades, enquanto a CGT estima que 500 mil pessoas tenham participado dos protestos nacionais.

Em Paris, 60 mil pessoas realizaram uma marcha a partir da praça Denfert-Rochereau, de acordo com os organizadores.

Segundo informações do site France 24, manifestantes lançaram garrafas e pedras contra a polícia, que respondeu com bombas de gás.

Próximo à capital francesa, estudantes bloquearam o acesso ao porto de Gennevilliers, no rio Sena. Segundo a imprensa local, cerca de 200 estudantes empilharam pneus para bloquear o acesso ao porto.

Em Lyon, terceira maior cidade da França, também houve confronto entre cerca de 150 estudantes e agentes da polícia. Alguns atiraram objetos contra as forças de segurança, que lançaram bombas de gás.

Protestos também ocorreram em Marseille, no sul, e em Nantes e Rennes, no oeste do país.

De acordo com a agência de notícias Reuters, 124 pessoas foram detidas durante os protestos. Pelo menos um manifestante e 24 policiais ficaram feridos, um deles em estado grave, informou a polícia.

A Unef disse que houve abuso de força policial. "Condeno fortemente a violência", disse o presidente da Unef, William Martinet, em entrevista ao canal francês iTELE.

Reforma

A proposta de reforma trabalhista do governo francês prevê alterar a jornada de 35 horas de trabalho semanais. O limite seria oficialmente mantido, mas as companhias poderiam organizar horas de trabalho alternativas - como trabalhar em suas casas - o que, no final, poderia resultar em até 48 horas de trabalho por semana. Em “circunstâncias excepcionais”, o limite poderá ser de até 60 horas por semana.

De acordo com o governo, o objetivo seria a redução do índice de desemprego no país, atualmente superior a 10%.

O projeto permite também que as empresas deixem de pagar as horas extras aos funcionários que trabalharem mais de 35 horas, recompensando-os com dias de folga.

Novos protestos estão previstos para o próximo domingo (01/05), Dia dos Trabalhadores.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

França: movimentos sociais realizam novos protestos contra reforma trabalhista de Hollande - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV