Brilha o sol na Alemanha

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 11 Janeiro 2016

“Para quem quiser ver e tiver os olhos postos no horizonte: energias renováveis são o futuro. Os alemães –ambientalistas, industriais, pesquisadores - viram isso. Os chineses também”. O comentário é de Marcelo Leite, em artigo publicado por Folha de S.Paulo, 10-01-2015.

Eis o artigo.

Li na Folha sexta-feira (8) que Itaipu voltou a ser a maior hidrelétrica do mundo, tendo ultrapassado a usina de Três Gargantas na China no ano passado em produção de energia. Ali na fronteira com o Paraguai foram gerados em 2015 seus 89,2 milhões de megawatts-hora (MWh). No mesmo período, a chinesa produziu bem menos, 87 milhões de MWh.

Agora, se o critério empregado for o de capacidade instalada, Três Gargantas continua na frente. Nada mudou aí. Uma coisa é quanta energia as turbinas da usina podem teoricamente gerar. Outra, bem diferente, é quanta água passa de fato por elas ao longo do ano. E 2015 foi bem generoso com chuvas na região dos rios que alimentam o lago de Itaipu, não tanto com os rios chineses.

China, Brasil, Paraguai – o que isso tudo em a ver com a Alemanha? É que outro recorde eletrizante chamou minha atenção na sexta: o país comandado por Angela Merkel, além de receber mais de 1 milhão de refugiados no ano que já foi tarde, quebrou a sua própria marca anterior de eletricidade de fonte solar.

Foram 36,8 milhões de MWh em 2015, contra 34,9 milhões de MWh em 2014. Quase a metade da eletricidade de Itaipu (para ser exato, 41%), mas gerada sem alagar um centímetros terra alheia, sem desalojar ninguém. E, acima de tudo, sem originar o enorme potencial para corrupção das megaobras civis brasileiras. Como Belo Monte, que está pondo de pernas para o ar a vida de dezenas de milhares de pessoas e sobre a qual já respingam pixulecos da Operação Lava Jato.

A eletricidade solar (fotovoltaica) não é obtida em usinas mastodônticas, e sim de forma descentralizada. Painéis solares são em geral instalados em telhados de casas e edifícios. Uma tendência que ainda engatinha no Brasil, mas que se tornou marca inconfundível da paisagem alemã –basta ver a quantidade de placas nos tetos de celeiros daquele país europeu.

Não sei se isso tem a ver com o fato de Merkel ter sido uma cientista (físico-química) na Alemanha Oriental e já ter ocupado o cargo de ministra do Ambiente em seu país. Decerto não terá atrapalhado.

Enquanto isso, por aqui, tivemos de nos virar com uma tecnocrata do setor elétrico (leia-se: barrageiro) que, ocupando sucessivamente o ministério de Minas e Energia, a Casa Civil e a Presidência da República, nunca se entusiasmou nem com a energia solar nem com a eólica (ventos). Só nos últimos anos a segunda começou a decolar, e logo veremos a primeira também alçar voo –apesar da presidente Dilma Rousseff.

A razão é simples e transparente, para quem quiser ver e tiver os olhos postos no horizonte: energias renováveis são o futuro. Os alemães – ambientalistas, industriais, pesquisadores, não só Merkel (que pertence a um partido conservador) - viram isso. Os chineses também, e se tornaram os maiores fornecedores mundiais de painéis fotovoltaicos, além de instalar pencas de "solar farms" (fazendas solares) pelo país.

Claro, também é possível, ainda que não imprescindível, construir grandes usinas de energia fotovoltaica, instalando centenas ou milhares de placas uma ao lado da outra. Motores inteligentes rotacionam os painéis conforme o movimento aparente do Sol no céu, para extrair o máximo dessa fonte inesgotável).

Alguém aí acha que o sol brilha mais na Alemanha que no Brasil?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brilha o sol na Alemanha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV