Mais de 30 mil pessoas podem morrer de fome do Sudão do Sul, dizem Nações Unidas

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Outubro 2015

De acordo com comunicado conjunto de agências das Nações Unidas, impossibilidade de entregar ajuda humanitária em área mais atingida por guerra civil aumenta risco de fome extrema.

A notícia foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 22-10-2015.

Mais de 30 mil pessoas que vivem nas zonas de guerra no Sudão do Sul correm o risco de morrer de fome, afirmou nesta quinta-feira, 22, a ONU, que advertiu também para outras "dezenas de milhares" de sul-sudaneses que estão à beira da fome extrema.

Ainda que o estado de fome não tenha sido declarado oficialmente, "ao menos 30 mil pessoas vivem em condições extremas" e enfrentam a "inanição e a morte" depois de 22 meses de guerra civil no país, de acordo com um comunicado conjunto de três agências das Nações Unidas: Uniced (crianças), FAO (agricultura e alimentação) e PMA (programa mundial de alimentos).

As regiões mais afetadas pelo conflito - e nas quais o envio de ajuda está bloqueado - ficam em Unidade, Estado rico em petróleo no norte do país que tem cerca 585 mil habitantes.

Nesses lugares, ainda estão em andamento intensos combates, os estupros - assim como o sequestro de crianças e mulheres - são constantes. "Sem acesso ilimitado à ajuda humanitária, a insegurança alimentar pode se agravar e se transformar em um quadro de fome extrema em algumas partes do Estado de Unidade", advertiu o comunicado conjunto.

O Sudão do Sul é palco, desde dezembro de 2013, de um conflito entre o Exército - leal ao presidente Salva Kiir - e rebeldes que são comandados pelo ex-vice-presidente, e rival de Kiir, Riel Machar.

A guerra civil, com chacinas e atrocidades atribuídas aos dois lados, deixou dezenas de milhares de mortos e fez com que, pelo menos 2,2 milhões de pessoas se deslocassem. / AFP

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 30 mil pessoas podem morrer de fome do Sudão do Sul, dizem Nações Unidas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV