Dinheiro compra felicidade? Novo prêmio Nobel de economia diz que sim

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Teóloga franciscana desafia a hipocrisia da nova encíclica papal Fratelli Tutti

    LER MAIS
  • A horripilante foto eleitoral da ‘terrorista de direita’

    LER MAIS
  • Novo secretário do Sínodo dos Bispos lamenta a “enorme energia” despendida pela Igreja “para converter a sociedade secular”: “É mais importante convertermos nós mesmos”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Outubro 2015

Poucos temas são tão universais como "dinheiro" e "felicidade".

O britânico Angus Deaton ganhou o Prêmio Nobel de Economia em 2015 por sua pesquisa sobre consumo, pobreza e bem-estar, mas diz que seu trabalho só mexeu com a imaginação do público quando ele escreveu sobre felicidade.

A reportagem foi publicada por BBC Brasil, 20-01-2015.

"É o único artigo que escrevi sobre o qual você ouve pessoas conversando em supermercados", disse Deaton à BBC.

As conclusões de Deaton podem ser surpreendentes para quem pensa que felicidade não se compra.

O que é felicidade?

Filósofos discordam há milhares de anos sobre o significado de felicidade, o que torna o conceito difícil de medir.

E para quantificar a felicidade, Deaton diz ter se focado em duas perguntas.

Uma é a questão de curto prazo sobre felicidade cotidiana, e outra é a indagação mais ampla sobre o rumo geral da vida.

Ele poderia perguntar, por exemplo: "Aqui temos uma escada com o degrau zero sendo a pior vida possível que possa imaginar, e o degrau dez, a melhor. Onde você se colocaria?"

Dinheiro pode comprar felicidade

O professor Deaton diz que se você perguntar a alguém sobre o grau de satisfação dela, a resposta terá relação direta com a renda da pessoa.

Deste modo, ele diz, um bilionário como Bill Gates, da Microsoft, irá declarar maior satisfação com a vida do que alguém menos rico.

"É uma escala logarítmica, então você precisa de cada vez mais dinheiro para subir outro degrau, mas a escada nunca para de subir", diz Deaton. "E isso é verdade não só para indivíduos, mas entre países."

Então dinheiro pode comprar felicidade, ao menos no sentido de satisfação na vida.

Alegria cotidiana

Mas e a alegria do dia a dia? O que ocorre se você perguntar às pessoas: "Você teve um bom dia? Foi um dia estressante?"

O professor diz acreditar que o dinheiro também afete a felicidade nesse quesito, mas apenas para quem tenha renda anual superior a R$ 290 mil.

Ele afirma que quem ganha menos do que isso tende a se preocupar muito com dinheiro, e isso tornaria essas pessoas menos felizes.

"Quando aquele medo permanente vai embora, isso faz uma enorme diferença na vida das pessoas, e a falta de dinheiro pode te deixar bem para baixo no dia a dia", diz Deaton, ressaltando que ganhos adicionais após esse "limite da felicidade" não fazem tanta diferença.

Em resumo, a resposta à pergunta "O dinheiro compra felicidade" depende de quanto dinheiro está em jogo e da definição de felicidade de cada um.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dinheiro compra felicidade? Novo prêmio Nobel de economia diz que sim - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV