Francisco em Cuba sobre a Colômbia: "Não temos direito a outro fracasso"

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • Moçambique. “Ameaças de morte por parte do governo. Há anos que lançamos apelos para Maputo. Sem sucesso”, denuncia ex-bispo de Pemba

    LER MAIS
  • Assim, o Papa Francisco nos lembrou que o comunismo pertence ao pensamento religioso

    LER MAIS
  • Repartir os bens não é comunismo, é cristianismo puro, diz o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Setembro 2015

O Papa apelou hoje à paz e ao diálogo na Colômbia, manifestando o seu apoio às negociações entre Governo e guerrilha que têm contado com a mediação da Igreja Católica.

“Neste momento, sinto-me no dever de dirigir o meu pensamento para a amada terra da Colômbia, consciente da importância crucial do momento presente, em que os seus filhos, com renovado esforço e movidos pela esperança, procuram construir uma sociedade em paz”, disse, no final da Missa a que presidiu na Praça da Revolução, em Havana, capital de Cuba.

“Por favor, ajudemo-nos! Não temos o direito de permitir-nos mais um fracasso neste caminho de paz e reconciliação”, pediu ainda.

Em agosto, as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) pediram um encontro oficial com o Papa Francisco; o grupo tinha-se reunido com membros do episcopado colombiano, na capital cubana.

As informações são da agência Ecclesia e Religión Digital, 20-09-2015.

O Vaticano rejeitou a realização deste encontro, mas Francisco quis colocar o tema na agenda da sua viagem a Cuba, pedindo que “o sangue derramado por milhares de inocentes, durante tantas décadas de conflito armado, unido ao sangue do Senhor Jesus Cristo na Cruz, sustente todos os esforços que se estão a fazer, inclusivamente nesta bela Ilha, para uma reconciliação definitiva” na Colômbia.

“E assim a longa noite de dor e violência, com a vontade de todos os colombianos, se possa transformar num dia sem ocaso de concórdia, justiça, fraternidade e amor, no respeito das instituições e do direito nacional e internacional, para que a paz seja duradoura”, acrescentou.

O Papa agradeceu ao presidente cubano, Raúl Castro, “por todo o trabalho que faz nesta reconciliação”.

As negociações de paz de Havana, iniciadas em novembro de 2012, buscam por fim a um conflito armada que deixou, durante 50 anos, 220 mil mortos e seis milhões de deslocados, segundo dados oficiais.

O comandante Pastor Alape, um dos negociadores da guerrilha em Havana e que acompanhava as atividades do papa na televisão cubana, disse que o chamado de Francisco fortalece a decisão das FARC de alcançar a paz.

"Este chamada feito pelo papa fortalece essa decisão (de conseguir a paz) do conjunto das FARC e estamos seguros de que no país muitos setores estão vendo com mais esperança a construção da paz", declarou Alape à AFP.

"Mantemos o otimismo, o processo conseguiu muito mais apoios e não será um novo fracasso, será um êxito do povo colombiano", acrescentou o chefe guerrilheiro.

Nota da IHU On-Line: Sobre as negociações de paz, em Havana, veja ampla entrevista de Francisco De Roux, jesuíta colombiano, que acompanha o processo. A entrevista está disponível na página do Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco em Cuba sobre a Colômbia: "Não temos direito a outro fracasso" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV