O país não comporta mais retrocesso social

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • Assustado com Donald Trump? Você não sabe a metade

    LER MAIS
  • O marabuto Charles de Foucauld

    LER MAIS
  • Renan teve surto de Cunha e emboscou Temer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

15 Setembro 2015

Há um jogo oportunista e míope em torno da crise política, cujo ápice foi a orquestração entre a Folha de S. Paulo, Aécio Neves e colunistas aliados, valendo-se da fragilidade política de Dilma Rousseff para pressionar por mudanças constitucionais que revertam o Estado de bem-estar implementado a partir da Constituição de 1988.

O comentário é de Luis Nassif, jornalista, publicado por Jornal GGN, 14-09-2015.

Todas as manifestações vieram na direção de desvincular as despesas obrigatórias em educação, saúde e transferências constitucionais como condição para de obter a paz.

Esse tipo de exigência é a comprovação de que a perda de rumo e da sensibilidade política não é prerrogativa de Dilma e do PT, mas também desse conjunto fluido de forças autodenominadas de oposição.

***

Momentos pontuais de crise passam a sensação de que o país caminha a reboque da política. Engano!

Há uma linha de evolução política e sociológica que vai muito além desses momentos de crise e à qual terão que se subordinar todos os governos do atual aos futuros.

A inclusão já ocorreu, um vitorioso processo que foi inaugurado com a Constituição de 1988, prossegue com a estabilização econômica e se acelera com as políticas sociais. Abriu-se a caixa de pandora e o gênio da cidadania escapou da garrafa – e não volta mais.

Os pessimistas dirão que a era dos direitos chegou antes da era da competitividade; os que enxergam o país para além das planilhas dirão que as exigências da cidadania é que empurram o país para frente.

A impopularidade do governo Dilma decorre de seus erros, sim, mas especialmente do fato de não ter conseguido proporcionar um horizonte que garantisse a continuidade da ascensão das novas classes.

***

Sabia-se desde o início que sua ascensão mudaria radicalmente o cenário, criando uma nova realidade política. Sem o sentido golpista das manifestações subsequentes, as passeatas de junho de 2013 assinalaram o inicio de uma nova era.

Nem Dilma, nem o PT, nem Lula se deram conta da velocidade dessas mudanças, a necessidade de aprofundamento das formas de participação política, a melhoria dos serviços púbicos, a desburocratização.

Se não entenderam, menos ainda a oposição, que se limitou a alianças oportunistas com o rebotalho dos manifestantes, aqueles que exaram preconceitos pelas narinas, e a exercitar diuturnamente o golpismo, jogando fora grandes gestos que, em outros tempos, ajudaram a construir a mística do PSDB, como o partido que não apostava no tanto pior, melhor.

***

O que pretendem desmontando o aparato social da Constituinte? Provavelmente conseguirão acelerar o fim do governo Dilma. Mas criarão problemas intransponíveis para qualquer novo governo que se apresente.

Não é por outro motivo que André Lara Rezende, o mais esperto e mais intelectualizado dos economistas do Real, há tempos fixou como prioridade política o atendimento do bem-estar do cidadão. E, como ele, pensa a parte mais preparada do grande empresariado paulista.

O avanço da cidadania é o dado intemporal, em torno do qual as variáveis deverão se acomodar.
Em vez de buscar o caos, o momento é de juntar as forças para reverter o aprofundamento da crise.

***

PS – O PMDB majoritário, de Michel Temer, não está em vias de pular do barco. Dilma terá que piorar um pouco mais para que pulem do barco.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - O país não comporta mais retrocesso social