Igreja católica da Guatemala pede a renúncia do presidente do país

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 27 Agosto 2015

O arcebispo da Arquidiocese da Guatemala, Óscar Julio Vián Morales, um dos altos cargos da Igreja católica no país centro-americano, pediu a renúncia do presidente Otto Pérez Molina, por seu possível envolvimento na trama corrupta conhecida como ‘La Línea’, que já provocou a prisão de vários membros de seu Governo.

 
Fonte: http://goo.gl/SYcv60  

A reportagem é publicada por Religión Digital, 25-08-2015. A tradução é do Cepat.

Em algumas declarações publicadas pelo jornal local ‘Prensa Libre’, o Arcebispo destaca que a melhor decisão que pode tomar é a renúncia e enfrentar a justiça “para demonstrar se na realidade é inocente”. “Este Governo, assim como os outros, disse que amava a Guatemala, mas na realidade roubou os pobres”, apontou.

O Prelado acrescentou que “a maioria dos católicos” é a favor da renúncia do presidente e pede ao restante dos religiosos que apoiem as mobilizações cidadãs, que ocorrem no país, para pedir a renúncia de Pérez Molina e um sistema que exerça um maior controle contra a corrupção.

Vián Morales também se referiu à prisão da ex-vice-presidente Roxana Baldetti, um dos possíveis cérebros da trama, e qualificou a ação como “incrível”. Baldetti renunciou no último dia 9 de maio, após passar duas semanas desaparecida, justamente após a Corte Suprema da Guatemala (CSG) decidir retirar a sua imunidade para que fosse investigada pela trama aduaneira.

Em algumas das mais de 66.000 escutas realizadas pela Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG), organismo vinculado às Nações Unidas para desvendar a rede de subornos, são feitas referências à “senhora” ou “a (número) dois”, o que levantou as suspeitas sobre Baldetti.

A estrutura criminosa ao redor da SAT (Superintendência de Administração Tributária) consistia em cobrança de subornos para favorecer a importação de certos produtos e para evitar que outros tantos pagassem impostos. Acredita-se que a ex-vice-presidente era o ‘cérebro’ da trama.

La Línea’, junto a outros muitos casos de corrupção, fez o Governo de Otto Pérez Molina cambalear até o ponto de a oposição pedir o cancelamento das eleições presidenciais, do próximo dia 6 de setembro, por considerar que não existem condições adequadas.

A cumplicidade do Presidente

A Promotoria apresentou ao tribunal, nesta segunda-feira, uma gravação de uma conversa telefônica na qual o presidente da Guatemala favorece a trama corrupta. Foi durante o primeiro depoimento de Baldetti, também envolvida neste caso.

“Boa tarde senhor Presidente. Já para amanhã me autorizam o procedimento”, disse na gravação o máximo responsável pela agência tributária guatemalteca (SAT), Carlos Muñoz. “Por que não mudaram o de recursos [humanos]? O sindicato já anunciou que vão fazer coisas”, responde Pérez Molina, naquilo que se interpreta como uma instrução para beneficiar a rede conhecida como ‘La Línea’, segundo informa o jornal ‘Prensa Libre’.

A audiência ocorre na sede do Juizado de Maior Risco B, cujo titular é Miguel Ángel Gálvez. Gálvez acusou Baldetti pelos crimes de associação ilícita, fraude fiscal e corrupção passiva, relacionados com a rede descoberta, em 16 de abril, na Superintendência de Administração Tributária (SAT).

O caso ‘La Línea’ levou à prisão 21 pessoas. O ex-secretário de Baldetti, Juan Carlos Monzón, está sendo procurado desde abril, quando desapareceu em uma viagem a Coreia do Sul, na qual acompanhou a então vice-presidente para receber um doutorado ‘honoris causa’.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja católica da Guatemala pede a renúncia do presidente do país - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV