O Papa exalta o papel da mulher paraguaia

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Nota de apoio e Solidariedade ao Papa Francisco e a Dom Orlando Brandes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 13 Julho 2015

“Quero reconhecer com emoção e admiração o papel desempenhado pela mulher paraguaia nesses momentos dramáticos da história. Sobre seus ombros de mães, esposas e viúvas, carregaram o maior peso, souberam cuidar de suas famílias e do seu País, infundindo nas novas gerações a esperança em um amanhã melhor”. Assunção, onde se alternam mais rapidamente o sol, a chuva, a estiagem e as tempestades, é uma capital em festa. Uma grande multidão saiu às ruas para acolher o Papa Francisco, na última etapa da sua viagem à América Latina. Depois da alegre acolhida no aeroporto, com danças e cantos em língua guarani, Bergoglio chegou à cidade. Sua primeira visita foi ao pátio de uma prisão feminina.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada por Vatican Insider, 11-07-2015. A tradução é de André Langer.

Depois do encontro com o presidente Horacio Cartes, que foi recebê-lo no aeroporto, Francisco fez seu primeiro discurso às autoridades do país, no palácio presidencial. E em uma passagem de seu discurso exaltou o papel da mulher paraguaia.

Durante o voo de volta da JMJ do Rio de Janeiro, em julho de 2013, ao responder a uma das perguntas dos jornalistas, disse: “Não se pode entender uma Igreja sem mulheres, mas mulheres ativas na Igreja, não? Com seu perfil, levam-na adiante”. O Papa continuou com um exemplo que “não tem nada a ver com a Igreja, mas é um exemplo histórico: na América Latina”. Bergoglio, referindo-se à situação pós-guerra de 1870, ao final de um sangrento conflito com o Brasil, a Argentina e o Uruguai, que durou seis anos, disse: “Ficaram, depois da guerra, oito mulheres para cada homem, e estas mulheres tomaram uma decisão um pouco difícil: a decisão de ter filhos para salvar a pátria, a cultura, a fé e a língua. Na Igreja, devemos pensar na mulher nesta perspectiva: de decisões arriscadas, mas como mulheres”.

Em seu discurso, o Papa quis “render tributo a esses milhares de paraguaios simples, cujos nomes não aparecerão nos livros de história, mas que foram e continuarão sendo verdadeiros protagonistas da vida do seu povo”. Recordou a importância da memória, porque um povo “que esquece seu passado, sua história, suas raízes, não tem futuro”. Explicou que justamente a memória, “assentada firmemente sobre a justiça, afastada de sentimentos de vingança e de ódio, transforma o passado em fonte de inspiração para construir um futuro de convivência e harmonia, tornando-nos conscientes da tragédia e da loucura da guerra”.

Francisco também citou a história recente do país, que saiu, em 1989, de 35 anos de ditadura, e convidou à paz e à reconciliação: “Nunca mais guerras entre irmãos! Construamos sempre a paz! Também uma paz do dia a dia, uma paz da vida cotidiana, da qual todos participam evitando gestos arrogantes, palavras que ferem, atitudes prepotentes e fomentando, ao contrário, a compreensão, o diálogo e a colaboração”.

Também aqui, como no Equador e na Bolívia, Francisco insistiu na importância do diálogo, em particular na vida pública, favorecendo a cultura do encontro e o reconhecimento das opiniões alheias: “Não devemos nos deter no conflitivo; é um exercício interessante decantar no amor à Pátria e ao povo toda perspectiva que nasce das convicções de uma opção partidária ou ideológica. E esse mesmo amor deve ser o impulso para crescer cada dia mais em gestões transparentes e que lutam impetuosamente contra a corrupção”.

O Papa indicou que o processo democrático que o país está vivendo é “sólido e estável” e convidou para perseguir o caminho empreendido, consolidando “as estruturas e instituições democráticas que deem respostas às justas aspirações dos cidadãos. A forma de governo adotada em sua Constituição, “democracia representativa, participativa e pluralista”, baseada na promoção e no respeito aos direitos humanos nos afasta da tentação da democracia formal que, Aparecida definia como aquela que se “contentava em estar fundada em procedimentos eleitorais honestos”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa exalta o papel da mulher paraguaia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV